Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Tecnologia

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

Galaxy Tab ou iPad? Teste mostra quais são os melhores tablets do mercado

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação, com assessoria
Do 33Giga

23/10/2017 | 14:13


Desde quando foram lançados, em 2011, os tablets vêm perdendo a relevância no mercado. Seja porque os smartphones ganharam telas maiores ou porque os notebooks híbridos surgiram com preços competitivos. O fato é que os modelos tradicionais tiveram uma queda na preferência do público.

Leia mais
Tabelão de celulares: confira todos os modelos vendidos no Brasil
Álbum: relembre videogames que marcaram a história
Confira a incrível evolução dos computadores

Com isso, muitos se perguntam se ainda vale a pena comprar o aparelho. De acordo com a associação de defesa do consumidor Proteste, os tablets podem ser vantajosos para estudantes ou crianças com foco no uso para leitura, assistir a vídeos e navegar na web em geral.

Por isso, a associação avaliou tablets e minitablets das principais marcas e identificou qual deles tem o melhor custo-benefício para este perfil de usuário. De modo geral, todos os aparelhos são leves, fáceis de usar, possuem bom touch screen e têm funções simples e intuitivas.

Para gastar menos, pode-se optar pelo Samsung Galaxy Tab S2 9.7 4G, em vez do Apple iPad Pro 9.7 4G, que tem quase a mesma qualidade, e assim economizar até R$ 1.377. Vale destacar que, independente do desempenho, o que torna o tablet mais caro é o número de gigabytes correspondente à capacidade de memória.

No teste de duração da bateria, a maioria dos produtos teve mais de 10 horas de autonomia assistindo a vídeos e nenhum teve avaliação menor do que aceitável. Além disso, na análise de qualidade da tela, todos se saíram bem em ambientes fechados e com iluminação controlada, com exceção do Multilaser M7S pela baixa resolução.

Em navegação na Internet, as únicas exceções foram os minitablets (por terem a tela menor) e novamente o Multilaser, devido à tela pequena e pouca memória. No que se refere à segurança, a maioria possui opções de senha, reconhecimento por digital e backup na nuvem pelo sistema operacional.

As avaliações negativas foram das caixas de som, que têm áudio abafado sem o fone de ouvido, e a qualidade da gravação de vídeos e fotografia, que são bem inferiores a de um celular.

Antes de decidir se vale a pena optar ou não por um tablet, veja todos os eletrônicos avaliados pelo 33Giga.

 
 
 
<
>

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Galaxy Tab ou iPad? Teste mostra quais são os melhores tablets do mercado

Da Redação, com assessoria
Do 33Giga

23/10/2017 | 14:13


Desde quando foram lançados, em 2011, os tablets vêm perdendo a relevância no mercado. Seja porque os smartphones ganharam telas maiores ou porque os notebooks híbridos surgiram com preços competitivos. O fato é que os modelos tradicionais tiveram uma queda na preferência do público.

Leia mais
Tabelão de celulares: confira todos os modelos vendidos no Brasil
Álbum: relembre videogames que marcaram a história
Confira a incrível evolução dos computadores

Com isso, muitos se perguntam se ainda vale a pena comprar o aparelho. De acordo com a associação de defesa do consumidor Proteste, os tablets podem ser vantajosos para estudantes ou crianças com foco no uso para leitura, assistir a vídeos e navegar na web em geral.

Por isso, a associação avaliou tablets e minitablets das principais marcas e identificou qual deles tem o melhor custo-benefício para este perfil de usuário. De modo geral, todos os aparelhos são leves, fáceis de usar, possuem bom touch screen e têm funções simples e intuitivas.

Para gastar menos, pode-se optar pelo Samsung Galaxy Tab S2 9.7 4G, em vez do Apple iPad Pro 9.7 4G, que tem quase a mesma qualidade, e assim economizar até R$ 1.377. Vale destacar que, independente do desempenho, o que torna o tablet mais caro é o número de gigabytes correspondente à capacidade de memória.

No teste de duração da bateria, a maioria dos produtos teve mais de 10 horas de autonomia assistindo a vídeos e nenhum teve avaliação menor do que aceitável. Além disso, na análise de qualidade da tela, todos se saíram bem em ambientes fechados e com iluminação controlada, com exceção do Multilaser M7S pela baixa resolução.

Em navegação na Internet, as únicas exceções foram os minitablets (por terem a tela menor) e novamente o Multilaser, devido à tela pequena e pouca memória. No que se refere à segurança, a maioria possui opções de senha, reconhecimento por digital e backup na nuvem pelo sistema operacional.

As avaliações negativas foram das caixas de som, que têm áudio abafado sem o fone de ouvido, e a qualidade da gravação de vídeos e fotografia, que são bem inferiores a de um celular.

Antes de decidir se vale a pena optar ou não por um tablet, veja todos os eletrônicos avaliados pelo 33Giga.

 
 
 
<
>

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;