Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Anvisa quer derrubar liminar e proibir venda de álcool líquido


Do Diário OnLine
Com Agências

12/05/2004 | 18:50


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) quer derrubar a liminar concedida pela Justiça em favor das empresas fabricantes de álcool líquido 96º GL (equivalente a 92,8% em peso de álcool). Com a liminar, a venda do produto, que estava proibida há dois anos, voltou a ser praticada.

Durante o período em que o álcool líquido não estava sendo comercializado, os acidentes causados pelo uso do produto diminuíram 60%. O consultor técnico da gerência de saniantes da Anvisa, Jorge Luiz Cavalcante, disse que de um universo de 150 mil acidentados, 45 mil eram crianças. "A resolução do álcool gel demonstrou que é possível reduzir esses acidentes", acrescentou Cavalcante em entrevista à Rádio Nacional de Brasília.

Muitos consumidores reclamam que o álcool gel limita as formas de uso. Eles acreditam que o álcool gel não queima e é mais caro do que o álcool líquido. "O que não é verdade. O álcool gel 70 INPM (equivalente a 70% em peso de álcool) acende qualquer churrasqueira. Ele queima lentamente, o que até ajuda a acender o carvão", exemplificou Cavalcante. Quanto ao preço do produto gel comparado ao líquido, Cavalcante reconhece que o primeiro custa mais caro. "Mas na utilização ele se torna mais barato porque rende bem mais", afirmou.

Segundo a Agência Brasil, Cavalcante disse que a agência está promovendo campanhas envolvendo associações de classe e setores representativos da sociedade civil para difundir o futuro do álcool na forma gel. Além disso, ele avisou que estão sendo distribuídos cartilhas e folders explicativos sobre os riscos do produto líquido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Anvisa quer derrubar liminar e proibir venda de álcool líquido

Do Diário OnLine
Com Agências

12/05/2004 | 18:50


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) quer derrubar a liminar concedida pela Justiça em favor das empresas fabricantes de álcool líquido 96º GL (equivalente a 92,8% em peso de álcool). Com a liminar, a venda do produto, que estava proibida há dois anos, voltou a ser praticada.

Durante o período em que o álcool líquido não estava sendo comercializado, os acidentes causados pelo uso do produto diminuíram 60%. O consultor técnico da gerência de saniantes da Anvisa, Jorge Luiz Cavalcante, disse que de um universo de 150 mil acidentados, 45 mil eram crianças. "A resolução do álcool gel demonstrou que é possível reduzir esses acidentes", acrescentou Cavalcante em entrevista à Rádio Nacional de Brasília.

Muitos consumidores reclamam que o álcool gel limita as formas de uso. Eles acreditam que o álcool gel não queima e é mais caro do que o álcool líquido. "O que não é verdade. O álcool gel 70 INPM (equivalente a 70% em peso de álcool) acende qualquer churrasqueira. Ele queima lentamente, o que até ajuda a acender o carvão", exemplificou Cavalcante. Quanto ao preço do produto gel comparado ao líquido, Cavalcante reconhece que o primeiro custa mais caro. "Mas na utilização ele se torna mais barato porque rende bem mais", afirmou.

Segundo a Agência Brasil, Cavalcante disse que a agência está promovendo campanhas envolvendo associações de classe e setores representativos da sociedade civil para difundir o futuro do álcool na forma gel. Além disso, ele avisou que estão sendo distribuídos cartilhas e folders explicativos sobre os riscos do produto líquido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;