Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Daniela Mercury agita em Sto.André


Cássio Gomes Neves
Do Diário do Grande ABC

20/11/2004 | 11:10


O que é que essa baiana chamada Daniela Mercury, leonina, um ano distante das quarentonas apesar do corpinho de 30, tem? O tabuleiro que guarda o segredo, a cantora leva neste sábado ao Status Music Hall (Tel.: 4997-5609), em Santo André, para quem quiser espiar e descobrir (ou rever). O show desta noite pertence à turnê Eletrodoméstico, a partir da qual a curvilínea menestrel deixa de ser "apenas" dama de copas do axé e da MPB caetaneada para acampar em outras pradarias musicais. Com início marcado para a 0h (os portões serão abertos às 22h), a performance no Grande ABC é restrita a maiores de 16 anos e, até a tarde desta sexta, ainda havia ingressos disponíveis para todos os setores da casa.

Com Eletrodoméstico, Daniela Mercury entrega-se à experimentação de uma vez por todas. O título do espetáculo, homônimo ao disco lançado no ano passado, condensa música gringa (o eletro) e música nativa (o doméstico), para resultar em composições naturalizadas brasileiras, quaisquer que sejam as suas origens.

Em terras de Chico Science e Ben Jor, pode não parecer grande coisa. Mas só o fato de Daniela regravar e rearranjar, por exemplo, o pop-rock It Ain't Over Til It's Over, do norte-americano Lenny Kravitz, já aponta para a conduta repensada de uma intérprete cujo conforto popular está mais que garantido graças a uma carreira fiada em trios elétricos e no requebro das ladeiras do Curuzu. Arrojo, para dizer o mínimo.

Uma Daniela experimental também quando visita os patrícios na seleção do novo repertório. Quando doa a voz a Marcelo Yuka e Falcão (O Rappa) e à cadência particular de ambos no registro da canção Eletrodoméstico; quando emprega-a em favor de Lenine e Dudu Falcão, ao interpretar Meu Plano; e quando abraça os tribalistas Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown, na sua versão para To Remember.

Inevitável - A nova baiana, antes de se pretender aglutinadora de ritmos e culturas, não poderia evitar o pontífice da miscelânea, Jorge Ben Jor. Não teve dúvida e, do repertório do samba-rocker, Daniela decidiu gravar Ive Brussel. Na mesma toada, reencontrou Caetano Veloso e Gal Costa em sua versão para Baby, o hino tropicalista cuja letra recomenda, entre outras coisas "a piscina, a margarina, a Carolina".

Desse modo, Eletrodoméstico, disco e show, assimila a música histórica e a música reciclável, vertentes jamais paralelas, pois a ordem do dia é estabelecer constantes e mútuas intervenções. Daniela eletrificou-se (melhor seria dizer eletronizou-se), não há dúvida. A evidência estará no show, em que a cantora exibe esse itinerário rumo à pós-modernidade marcado pelas novas composições e inusitadas regravações.

Mas, mesmo eletrificada, a baiana não abandona os foliões e os últimos românticos, ao executar ao vivo inevitáveis hits, como Rapunzel, O Canto da Cidade, Você não Entende Nada, Nobre Vagabundo e Swing da Cor.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;