Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Vendas do pequeno comércio caem 2%


Gabriela Gasparin
Especial para o Diário

13/11/2007 | 07:00


Ao contrário do que vem acontecendo na economia nacional como um todo, este ano não têm sido bom para os pequenos comerciantes do Estado.

O setor apresenta queda acumulada de 2% no faturamento de janeiro a setembro deste ano. No balanço de setembro, comparado ao mesmo mês do ano passado, a diminuição foi de 1,7%.

As informações são da PCPV (Pesquisa Conjuntural do Pequeno Varejo), divulgada nesta segunda-feira pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo). Dos sete grupos analisados, quatro apresentaram baixa.

“O mercado de varejo em geral cresce de 4% a 5% no ano. No entanto, o pequeno comerciante não tem a capacidade que a empresa grande tem de oferecer maiores financiamentos”, explicou o assessor econômico da entidade, Fábio Pina.

Segundo ele, outro fator que chama a atenção dos clientes é a publicidade, além da possibilidade de encontrar unidades da loja em diversas localidades.

O segmento que mais sentiu o decréscimo foi o de autopeças e acessórios, com queda de 29,2% em setembro deste ano na comparação com o mesmo mês de 2006. No acumulado do ano, o resultados estão 17,9% menores.

Pina revelou que grandes concessionárias passaram a vender acessórios para automóveis neste ano. “As distribuidores oferecem preços menores.” Outro motivo é a facilidade, cada vez maior, de se comprar um carro zero. “Os carros novos não precisam de manutenção.”

É o que sente a comerciante Ana Paula Soares, 36 anos, que há anos três possui uma loja de autopeças em Santo André. O faturamento da loja já apresenta queda de 10% neste ano até agora. “O número de clientes tem aumentado, mas é difícil competir com as grandes lojas,”

Ana Paula afirmou ter parado de vender pneus e CD players depois que os hipermercados passaram a comercializar os produtos. “Muitos feriados seguidos também atrapalham o pequeno varejista”, lembra.

Outros setores que puxaram o faturamento do setor para baixo foram as farmácias e perfumarias, as lojas de alimentos e bebidas e eletroeletrônicos. As quedas acumuladas até setembro são, respectivamente, de 6,4%, 14,6% e 7,3%.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Vendas do pequeno comércio caem 2%

Gabriela Gasparin
Especial para o Diário

13/11/2007 | 07:00


Ao contrário do que vem acontecendo na economia nacional como um todo, este ano não têm sido bom para os pequenos comerciantes do Estado.

O setor apresenta queda acumulada de 2% no faturamento de janeiro a setembro deste ano. No balanço de setembro, comparado ao mesmo mês do ano passado, a diminuição foi de 1,7%.

As informações são da PCPV (Pesquisa Conjuntural do Pequeno Varejo), divulgada nesta segunda-feira pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo). Dos sete grupos analisados, quatro apresentaram baixa.

“O mercado de varejo em geral cresce de 4% a 5% no ano. No entanto, o pequeno comerciante não tem a capacidade que a empresa grande tem de oferecer maiores financiamentos”, explicou o assessor econômico da entidade, Fábio Pina.

Segundo ele, outro fator que chama a atenção dos clientes é a publicidade, além da possibilidade de encontrar unidades da loja em diversas localidades.

O segmento que mais sentiu o decréscimo foi o de autopeças e acessórios, com queda de 29,2% em setembro deste ano na comparação com o mesmo mês de 2006. No acumulado do ano, o resultados estão 17,9% menores.

Pina revelou que grandes concessionárias passaram a vender acessórios para automóveis neste ano. “As distribuidores oferecem preços menores.” Outro motivo é a facilidade, cada vez maior, de se comprar um carro zero. “Os carros novos não precisam de manutenção.”

É o que sente a comerciante Ana Paula Soares, 36 anos, que há anos três possui uma loja de autopeças em Santo André. O faturamento da loja já apresenta queda de 10% neste ano até agora. “O número de clientes tem aumentado, mas é difícil competir com as grandes lojas,”

Ana Paula afirmou ter parado de vender pneus e CD players depois que os hipermercados passaram a comercializar os produtos. “Muitos feriados seguidos também atrapalham o pequeno varejista”, lembra.

Outros setores que puxaram o faturamento do setor para baixo foram as farmácias e perfumarias, as lojas de alimentos e bebidas e eletroeletrônicos. As quedas acumuladas até setembro são, respectivamente, de 6,4%, 14,6% e 7,3%.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;