Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Vendas do pequeno comércio caem 2%


Gabriela Gasparin
Especial para o Diário

13/11/2007 | 07:00


Ao contrário do que vem acontecendo na economia nacional como um todo, este ano não têm sido bom para os pequenos comerciantes do Estado.

O setor apresenta queda acumulada de 2% no faturamento de janeiro a setembro deste ano. No balanço de setembro, comparado ao mesmo mês do ano passado, a diminuição foi de 1,7%.

As informações são da PCPV (Pesquisa Conjuntural do Pequeno Varejo), divulgada nesta segunda-feira pela Fecomercio-SP (Federação do Comércio do Estado de São Paulo). Dos sete grupos analisados, quatro apresentaram baixa.

“O mercado de varejo em geral cresce de 4% a 5% no ano. No entanto, o pequeno comerciante não tem a capacidade que a empresa grande tem de oferecer maiores financiamentos”, explicou o assessor econômico da entidade, Fábio Pina.

Segundo ele, outro fator que chama a atenção dos clientes é a publicidade, além da possibilidade de encontrar unidades da loja em diversas localidades.

O segmento que mais sentiu o decréscimo foi o de autopeças e acessórios, com queda de 29,2% em setembro deste ano na comparação com o mesmo mês de 2006. No acumulado do ano, o resultados estão 17,9% menores.

Pina revelou que grandes concessionárias passaram a vender acessórios para automóveis neste ano. “As distribuidores oferecem preços menores.” Outro motivo é a facilidade, cada vez maior, de se comprar um carro zero. “Os carros novos não precisam de manutenção.”

É o que sente a comerciante Ana Paula Soares, 36 anos, que há anos três possui uma loja de autopeças em Santo André. O faturamento da loja já apresenta queda de 10% neste ano até agora. “O número de clientes tem aumentado, mas é difícil competir com as grandes lojas,”

Ana Paula afirmou ter parado de vender pneus e CD players depois que os hipermercados passaram a comercializar os produtos. “Muitos feriados seguidos também atrapalham o pequeno varejista”, lembra.

Outros setores que puxaram o faturamento do setor para baixo foram as farmácias e perfumarias, as lojas de alimentos e bebidas e eletroeletrônicos. As quedas acumuladas até setembro são, respectivamente, de 6,4%, 14,6% e 7,3%.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;