Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Preço baixo ‘populariza’ notebook


William Glauber
Do Diário do Grande ABC

20/09/2005 | 08:26


A venda de notebooks pede licença para crescer no país a partir deste ano. Enquanto o mercado mundial registrou expansão de 31% no primeiro semestre de 2005 em relação a igual período do ano passado, as vendas internas ainda patinam na casa dos 4% no mercado de PCs (computadores pessoais), segundo informações da IDC Brasil – empresa de consultoria em tecnologia.

Para turbinar os números do setor, as empresas brasileiras investem em lançamentos que unem entretenimento e atributos profissionais. Outro trunfo é a queda sistemática do preço das máquinas. A Dell, líder mundial em venda de PCs, e com fábrica no Brasil, lançou, por exemplo, equipamento abaixo da barreira de R$ 3 mil, e ofereceu ao consumidor notebook ao custo de R$ 2.999.

O professor do curso de Ciências da Computação da Universidade Imes, em São Caetano, Mário Eugênio Longato, explica que a Dell, por ser líder mundial, tem condições de oferecer mercadorias com menor preço. "Quem vende mais consegue preços mais interessantes", ressalta Longato.

Além do preço, outro forte argumento para a conquista de novos consumidores é a mobilidade. "O usuário não precisa reservar espaço para instalação de PC e fica sem o trambolhão em casa", destaca o professor. O equipamento, segundo Longato, é ideal para vendedores, executivos e estudantes.

A HP, também com planta industrial no país, investiu em tecnologia avançada de olho nesses consumidores. Neste mês, a companhia colocou no varejo notebooks com plataforma de entretenimento, como home theater, com custo entre R$ 6.399 e R$ 7.399. "Esse aparelho também é para o consumidor que precisa de notebook com alto desempenho", explica Valéria Molina, diretora de Produto de Consumo da HP.

Valéria conta que a empresa está em momento de expansão no mercado nacional em relação ao ano anterior, mas não revela números. "Hoje temos notebooks a partir de R$ 3.999, com conexão sem fio, gravador de CD e pagamento parcelado", explica. "O valor do notebook de entrada custa hoje R$ 1 mil a menos do que no ano passado", ressalta.

  Embora as vendas de notebooks cresçam por conta própria, mediante ações da indústria nacional, o gerente de Pesquisas e Análises da IDC Brasil, Ivair Rodrigues, diz que o setor de computadores móveis precisa de política governamental eficiente para popularização. Para o consultor, a redução da elevada carga tributária brasileira é fundamental para a expansão do segmento.

"O governo precisa criar incentivos para a fabricação de notebooks, elevando a faixa de redução de PIS/Cofins para até R$ 3,5 mil", diz Rodrigues. A MP do Bem desonera em 9% apenas equipamentos eletrônicos com valor de até R$ 2,5 mil. A pirataria é outro mal a ser combatido. "As empresas competem com o mercado ilegal. É difícil concorrer com empresas que contrabandeiam equipamentos, pirateiam softwares e não pagam impostos", destaca.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;