Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Árbitro argentino não amedronta o Azulão


Analy Cristofani
Enviada do Diário a Assunção

24/07/2002 | 00:38


Diz o velho ditado que time que quer ser campeão tem de superar todas as adversidades. O provérbio parece refletir fielmente o pensamento dos jogadores do São Caetano em relação à arbitragem do confronto desta quarta à noite. A escolha do argentino Horácio Elizondo como juiz da primeira partida decisiva da Libertadores, contra o Olimpia, foi bem vista pelos atletas e comissão técnica, que parecem não se importar com os avisos dados na semana passada pelo presidente do Grêmio, José Alberto Guerreiro, de que “já estaria tudo arranjado” para que o título fosse conquistado pelo clube paraguaio, que na quinta comemora seu centenário de fundação.

Guerreiro fez a denúncia após a segunda partida semifinal da Libertadores entre Grêmio e Olimpia, quando o clube gaúcho foi eliminado nos pênaltis após falhas do árbitro argentino Daniel Giménez, que anulou um gol legítimo da equipe no tempo regulamentar e mandou voltar uma cobrança defendida pelo goleiro gremista Eduardo na disputa de penalidades.

Para o volante Marcos Senna, o São Caetano não pode se preocupar com uma possível ajuda do árbitro Horácio Elizondo ao Olimpia. “O que pode nos atrapalhar é o nosso desempenho. Não há arbitragem que possa nos tirar da briga pelo título. Vamos ter dois jogos complicados contra o Olimpia, mas temos de fazer o melhor para conquistarmos a vitória dentro de campo, jogando futebol”, afirmou.

O técnico Jair Picerni também evita colocar em dúvida a honestidade do juiz. “Existe uma preocupação sadia. Temos de usar a inteligência”, disse. “Se acontecer algo fora do normal, precisamos estar preparados para superar as adversidades. Mas se nos preocuparmos mais com a atuação da arbitragem do que com o Olimpia, vamos acabar derrotados pelo nosso adversário. Temos de nos preocupar em jogar futebol.”

O treinador garante que nem a pressão dos torcedores paraguaios e nem a tradição do Olimpia irão incomodar o Azulão em campo. “A partida é decidida dentro das quatro linhas. Já cansamos de enfrentar torcidas adversárias e isso nunca nos afetou. Não será desta vez que teremos problemas com isso”, disse. “Quanto ao Olimpia, é um time muito bom. Mas temos todas as condições de superá-lo.”



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;