Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

PF adia entrega do relatório final da 'Operação Anaconda'


Do Diário OnLine
Com Agências

18/11/2003 | 20:02


A Polícia Federal adiou a entrega do relatório final da Operação Anaconda, que investiga um suposto esquema de corrupção e venda de sentenças judiciais envolvendo juízes e agentes federais de São Paulo. O balanço deve ser entregue ao Tribunal Regional Federal de São Paulo (TRF-SP) apenas na sexta-feira – dois dias depois do prazo esperado.

Segundo o Departamento de Polícia Federal, o Instituto Nacional de Criminalística ainda não concluiu os trabalhos de perícia nos materiais apreendidos nas residências dos indiciados. "Devido ao grande volume de informações arquivadas, os peritos ainda não tiveram condições de terminar a análise dos dados", explica uma nota divulgada nesta terça-feira pela PF.

Ainda nesta terça-feira, os agentes da PF que trabalham no caso e procuradores do Ministério Público mantiveram uma reunião a portas fechadas para discutir os rumos da investigação no caso.

O procurador-geral da República, Cláudio Fonteles, recebeu nesta terça-feira documentos que comprovariam o envolvimento do subprocurador Antônio Augusto César no esquema. Investigações feitas pela PF indicaram que ele teria usado o mesmo escritório do advogado Affonso Passarelli Filho, em São Paulo, onde foram realizadas diversas buscas. Em poder do agente César Herman Rodriguez, que está preso, havia um cartão do subprocurador.

A Procuradoria-Geral da República abriu uma sindicância para verificar até que ponto César pode estar ou não envolvido com o grupo, formado ainda pelos delegados Jorge Luiz Bezerra da Silva e José Augusto Bellini, além do juiz federal João Carlos da Rocha Mattos e da ex-mulher dele, a auditora Norma Regina Emílio Cunha.

Nas escutas telefônicas da PF não aparece claramente o nome de César. Apenas as iniciais A.C., numa conversa entre Herman e Mattos. Em papéis localizados na casa de Regina, que seriam livros contábeis, há iniciais que completam o nome do representante do MPF (AAC). Trata-se de pagamentos realizados entre 2000 e 2002.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;