Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Fusão de personagens


Sara Saar
Do Diário do Grande ABC

24/10/2010 | 07:06


Povoado de personagens - que viveu no teatro, na TV e no cinema -, o ator Antônio Petrin, 72 anos, tem carinho especial por cada tipo. "Os personagens dão sentido à minha vida. Grande parte das formações obtive por meio deles. São os professores da minha história", declara o também diretor que nasceu em Laranjal Paulista, no interior do Estado, e ainda criança se mudou com a família para Santo André.

Os múltiplos aprendizados, adquiridos com as figuras dramáticas motivam sua imparcialidade no momento de revelar a que lhe foi mais importante. "Na galeria de personagens, sempre existe um mais querido. Mas, se nomear algum, serei infiel aos outros", justifica.

Em mais de 40 anos de profissão, Antônio Petrin assumiu inúmeros projetos. Workaholic assumido, nunca se importou demais com o lazer. "Fico irritado quando não tenho trabalho. Você sempre quer colocar à prova sua competência", diz.

Isso ele já mostrou que tem. São mais de 60 peças, 18 filmes e 50 participações em novelas, minisséries, teleteatros e especiais de TV. Não à toa inspira a biografia Antônio Petrin - Ser Ator (Imprensa Oficial, 212 páginas, R$ 15), assinada pelo jornalista Orlando Margarido, que trabalhou no Diário nos anos 1990.

O título será lançado quinta, às 19h, durante a 34ª Mostra Internacional de Cinema, no Shopping Frei Caneca. Na mesma data, ainda há apresentações inéditas de cerca de 60 obras da Coleção Aplauso.

PRODUÇÃO -  Quase todo o livro - exceto a introdução - é narrado em primeira pessoa, com linguagem coloquial, resultado da transcrição de longas entrevistas. "O intuito é aproximar o público do ator. Ele mostra visão crítica sobre peças, filmes e novelas", aponta o jornalista.

Um clima descontraído marcou os encontros com Petrin, que hoje mora na Capital, mas sempre está na região para visitar familiares. "Depois de duas, três ou quatro horas de depoimento, nós tomavamos chá. Acabamos nos tornando grandes amigos", conta Petrin.

O primeiro contato se deu no início dos anos 1990, quando o então repórter do Diário conversou com o ator que interpretava o vilão Tenório no folhetim Pantanal, da Rede Manchete. "A audiência estava no auge e o personagem era muito falado", lembra.

Antes da entrevista - na casa do artista, no Parque das Nações, onde o ator teve contato com o teatro na Igreja Senhor do Bonfim -, o jornalista o conhecia das novelas. "Era uma memória longínqua, não muito profunda. A partir dali, comecei a seguir sua trajetória", afirma.

HISTÓRIA - Organizado em ordem cronológica, o título logo revela a preferência do ator. "O teatro é a mãe da arte de interpretar. Nenhum indivíduo se prepara para ser ator de TV ou cinema. Ele aprende bem as técnicas de teatro e depois pode seguir para a TV ou o cinema", argumenta.

São inúmeras experiências reunidas no livro. Do teatro amador na paróquia, Petrin passou pela EAD (Escola de Arte Dramática), na USP (Universidade de São Paulo). "A escola mudou a minha vida por completo. Transformou o meu olhar para o mundo", revela.

Com o incentivo da professora Heleny Guariba e ao lado da atriz Sônia Guedes, Petrin formou em 1968 um dos mais influentes núcleos dramáticos do Estado, posteriormente chamado GTC (Grupo do Teatro da Cidade), em Santo André.

No livro, ainda ganham comentários as passagens na TV, caso da novela Éramos Seis, de 1994, exibida no SBT. Os filmes também são lembrados, como o longa Eles Não Usam Black-Tie (1981), dirigido por Leon Hirszman.

Sempre antes de entrar em cena, sente o medo bater à boca do estômago. "É como se sente qualquer profissional a beira do desafio. Às vezes, me pergunto: ‘o que estou fazendo aqui?' Nem sempre o ator é o que demonstra", revela.

PLANOS  - Um de seus novos projetos será a novela Amor e Revolução, de Tiago Santiago, com estreia no SBT prevista para março. Sobre o personagem que deve interpretar, afirma: "Estamos conversando". Para Petrin, pouco importa a fama. "A garotada investe em televisão e tem prazer em se ver nas revistas, mas as capas mudam e você desaparece", analisa.

Antônio Petrin - Ser Ator Lançamento. No Shopping Frei Caneca - Rua Frei Caneca, 569, São Paulo. Tel.: 3472-2000. Na 5ª, às 19h.

 

 

 

 

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;