Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mãe de feto jogado em lixo hospitalar passa por DNA hoje


Evandro De Marco
Do Diário do Grande ABC

29/11/2010 | 07:16


A balconista Luciana Alves da Silva, 25 anos, passará hoje por coleta do material para análise de DNA para verificar se o feto encontrado em meio ao lixo hospitalar na empresa Boa Hora, em Mauá, é mesmo a filha que morreu aos sete meses de gestação.

Sabendo que a menina que esperava não tinha mais batimentos cardíacos, Luciana foi ao Hospital Doutor Radamés Nardini na quinta-feira. Segundo a balconista, ela tomou medicamento para auxiliar no parto e o procimento se deu espontâneamente, sem o acompanhamento de médicos ou enfermeiras.

Desde então, o feto não foi mais visto pela mãe, que soube do seu desaparecimento quando o carro do IML (Instituto Médico-Legal) foi retirá-lo no hospital.

Na noite de sexta-feira, funcionários da empresa responsável pela incineração do lixo hospitalar do Nardini encontraram um feto em um saco plástico. Porém, Luciana não o reconheceu. "Minha filha tinha bastante cabelo e essa não tem." Segundo o chefe dos investigadores do 1º DP (Distrito Policial), Edson Barbosa, a balconista "deverá fornecer material hemático (sangue) para a comparação do DNA dela e do feto." Até resultado, a natimorta permanecerá no IML.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mãe de feto jogado em lixo hospitalar passa por DNA hoje

Evandro De Marco
Do Diário do Grande ABC

29/11/2010 | 07:16


A balconista Luciana Alves da Silva, 25 anos, passará hoje por coleta do material para análise de DNA para verificar se o feto encontrado em meio ao lixo hospitalar na empresa Boa Hora, em Mauá, é mesmo a filha que morreu aos sete meses de gestação.

Sabendo que a menina que esperava não tinha mais batimentos cardíacos, Luciana foi ao Hospital Doutor Radamés Nardini na quinta-feira. Segundo a balconista, ela tomou medicamento para auxiliar no parto e o procimento se deu espontâneamente, sem o acompanhamento de médicos ou enfermeiras.

Desde então, o feto não foi mais visto pela mãe, que soube do seu desaparecimento quando o carro do IML (Instituto Médico-Legal) foi retirá-lo no hospital.

Na noite de sexta-feira, funcionários da empresa responsável pela incineração do lixo hospitalar do Nardini encontraram um feto em um saco plástico. Porém, Luciana não o reconheceu. "Minha filha tinha bastante cabelo e essa não tem." Segundo o chefe dos investigadores do 1º DP (Distrito Policial), Edson Barbosa, a balconista "deverá fornecer material hemático (sangue) para a comparação do DNA dela e do feto." Até resultado, a natimorta permanecerá no IML.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;