Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Fiesp descarta indexaçao salarial


Paulo Carneiro
Da ARN, em Sao Paulo

24/03/1999 | 20:37


O Cosec (Conselho Superior de Economia da Fiesp) descarta qualquer possibilidade de indexaçao salarial por considerar a medida alimentadora do processo inflacionário. A decisao consensual é de que a entidade deve ter como meta a luta contra a inflaçao e o combate às propostas que apontem em outra direçao. A informaçao foi dada pelo presidente do Cosec, Bóris Tabacof, em entrevista coletiva após reuniao da entidade. "A inflaçao é ruim para toda a sociedade, principalmente para o trabalhador", afirmou.

Na opiniao do dirigente, a inflaçao está tendo um ímpeto menor do que se esperava para o período posterior à crise cambial. Ele acredita que o preço da cesta básica de março deverá registrar queda em termos nominais, embora ele nao tenha apresentado números indicativos dessa tendência. Boris Tabacof disse ainda que a economia brasileira passará por um momento de tranqüilidade nos próximos meses. Segundo ele, haverá uma espécie de trégua, mas isso nao significa que a Fiesp deixará de lutar pelas suas bandeiras, entre elas, a queda da taxa de juros.

De acordo com Tabacof, o setor industrial espera uma volta gradual do crédito, principalmente no comércio, e o retorno do Brasil ao mercado internacional de papéis. Ele acredita que os banqueiros e os investidores internacionais estao voltando gradativamente a confiar no Brasil, mas acha que tudo depende de uma combinaçao de fatores. "Tudo tem a ver com os resultados do acordo com o FMI, com as medidas fiscais e o equilíbrio das contas públicas."

Para Tabacof, a pressao sofrida atualmente pelo país nao está mais relacionada diretamente à fuga de capitais, mas ao pagamento das dívidas. Ele alertou, porém, que as metas fixadas pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) em outras oportunidades nunca foram cumpridas. Pelos seus cálculos, 22% do PIB (Produto Interno Bruto) estao comprometidos com pagamento de pessoal e previdência e 7%, com os juros da dívida.

Tabacof disse também que o Cosec aprova a atual política cambial, mas defende a busca de alternativas à flutuaçao livre. "Nao temos nenhuma proposta a apresentar, mas está aberta uma discussao de como deve ser o sistema de câmbio do país."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;