Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

S.Paulo ataca o Paysandu em busca da sena no Brasileiro


Nelson Cilo
Do Diário do Grande ABC
Com Agências

24/09/2005 | 08:16


O São Paulo tem bons motivos para atacar o Paysandu, às 16h de sábado, no Morumbi. Antes de mais nada, o alvo imediato é manter o embalo no Campeonato Brasileiro para elevar os limites da ascensão do time da Autuori rumo ao bloco dos primeiros colocados. Além disso, a equipe desafia os números pessimistas dos especialistas de plantão, que prevêem apenas 2% de chances de o Tricolor conquistar o título. No clube, todos querem provar que os matemáticos estão errados.

Apesar da ausência do atacante Amoroso, que não se recuperou totalmente de uma contusão muscular, o São Paulo aposta na sexta vitória consecutiva. O artiheiro já não havia atuado contra o Cruzeiro. O médico José Sanches contou que o matador ainda sente "pequenos incômodos" e se mostra inseguro na hora de se movimentar.

Ao contrário do que aconteceu diante do Cruzeiro – o meia Richarlyson substituiu Amoroso – Autuori resolveu escalar Diego Tardelli para formar a dupla de área ao lado de Christian. "Agora, vamos adotar uma estratégia diferente. O garoto (Tardelli) tem condições de corresponder às exigências do meu esquema", justificou.

Autuori também decidiu mexer no setor de Fabão, que permanece machucado. Flávio volta para o banco de reservas e Edcarlos, que cumpriu suspensão, reassume a vaga. Alex (entorse no tornozelo) continua de fora. As mudanças não preocupam Autuori. "Espero que o entrosamento seja o melhor possível", disse. Caso consiga mais três pontos, vai a 40 – dez a menos do que o líder Internacional. Autuori parece bem otimista. "Levo em conta a realidade que nos envolve. Nosso avanço depende só da gente, de mais ninguém", alerta Autuori, atento à incrível recuperação do time.

Na verdade, é como se o elenco assimilasse o discurso do chefe. Nem a campanha ruim do adversário serve de pretexto para possíveis facilidades. "O Paysandu tem atacantes perigosos, principalmente o Róbson. É preciso vigiá-lo o tempo todo, especialmente nas bolas aéreas. Eles tentam escapar da zona do rebaixamento e virão fechadinhos", avisa Rogério Ceni.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

S.Paulo ataca o Paysandu em busca da sena no Brasileiro

Nelson Cilo
Do Diário do Grande ABC
Com Agências

24/09/2005 | 08:16


O São Paulo tem bons motivos para atacar o Paysandu, às 16h de sábado, no Morumbi. Antes de mais nada, o alvo imediato é manter o embalo no Campeonato Brasileiro para elevar os limites da ascensão do time da Autuori rumo ao bloco dos primeiros colocados. Além disso, a equipe desafia os números pessimistas dos especialistas de plantão, que prevêem apenas 2% de chances de o Tricolor conquistar o título. No clube, todos querem provar que os matemáticos estão errados.

Apesar da ausência do atacante Amoroso, que não se recuperou totalmente de uma contusão muscular, o São Paulo aposta na sexta vitória consecutiva. O artiheiro já não havia atuado contra o Cruzeiro. O médico José Sanches contou que o matador ainda sente "pequenos incômodos" e se mostra inseguro na hora de se movimentar.

Ao contrário do que aconteceu diante do Cruzeiro – o meia Richarlyson substituiu Amoroso – Autuori resolveu escalar Diego Tardelli para formar a dupla de área ao lado de Christian. "Agora, vamos adotar uma estratégia diferente. O garoto (Tardelli) tem condições de corresponder às exigências do meu esquema", justificou.

Autuori também decidiu mexer no setor de Fabão, que permanece machucado. Flávio volta para o banco de reservas e Edcarlos, que cumpriu suspensão, reassume a vaga. Alex (entorse no tornozelo) continua de fora. As mudanças não preocupam Autuori. "Espero que o entrosamento seja o melhor possível", disse. Caso consiga mais três pontos, vai a 40 – dez a menos do que o líder Internacional. Autuori parece bem otimista. "Levo em conta a realidade que nos envolve. Nosso avanço depende só da gente, de mais ninguém", alerta Autuori, atento à incrível recuperação do time.

Na verdade, é como se o elenco assimilasse o discurso do chefe. Nem a campanha ruim do adversário serve de pretexto para possíveis facilidades. "O Paysandu tem atacantes perigosos, principalmente o Róbson. É preciso vigiá-lo o tempo todo, especialmente nas bolas aéreas. Eles tentam escapar da zona do rebaixamento e virão fechadinhos", avisa Rogério Ceni.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;