Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Apesar de crescimento nas eleições deste ano, PCdoB não é visto como alternativa ao PT

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Vitória Rocha
Especial para o Diário

14/11/2016 | 07:00


Mesmo sendo um dos partidos de esquerda que aumentaram sua representação em âmbito nacional, o PCdoB, para especialistas políticos, não é visto como uma alternativa à fragilidade política deixada pelo PT nesta eleição.

Há quatro anos o partido, que conquistou 56 cidades em todo território nacional, fechou as urnas no dia 30 com 81 prefeituras, uma delas a capital do Sergipe, Aracaju. Só no Estado do Maranhão, atualmente governado por Flávio Dino (PCdoB), a sigla conseguiu chegar a 46 ao comando de Executivos no primeiro turno.

“O PCdoB conseguiu ter uma estrutura política muito mais disciplinada do que o PT. Quando o PT chegou ao poder, grande parte de sua militância foi para o funcionalismo público. No caso do PCdoB, parece algo muito específico. Pode até significar (que estão pegando uma brecha do PT), mas muito pouco. Ainda é mais do mesmo. Os partidos que se colocam como novos, como a Rede e o Partido Novo, não têm nada de novo, por exemplo. Com essa rejeição que se tem à política institucional, esses movimentos sociais tendem a ser isolados”, avaliou o cientista político e professor da FGV (Fundação Getulio Vargas) Paulo Barsotti.

Um dos ícones de esquerda no País, o PT foi o maior derrotado nestas eleições, perdendo 384 prefeituras em relação a 2012. Além da Capital de São Paulo, derrotado no primeiro turno por João Doria (PSDB), o petismo registrou marca negativa também em seu berço político, o Grande ABC, sem conquistar nenhuma das sete prefeituras. Na região, aliás, o PCdoB não cresceu; elegeu apenas Gordo da Adega como vereador de São Bernardo.

Apesar do declínio do petismo no Brasil, o cientista político e escritor Rudá Ricci avalia que o crescimento do PCdoB é algo pontual. “Não há nenhum sinal concreto de substituição do PT. Na Bahia, Estado onde o PCdoB sempre elegeu muitos prefeitos, em 2016 elegeu menos prefeitos que na eleição anterior. Perdeu cidades importantes nesta eleição, como Contagem, cidade industrial da Região Metropolitana de Belo Horizonte. O partido que parece ter se projetado nacionalmente com maior vigor e que adota, de certa maneira, a lógica inicial do PT foi o Psol, a despeito de não ter conseguido eleger prefeitos. O Psol elegeu vereadores, em especial, mulheres, em muitas capitais, em diversos como campeãs de votos. Contudo, a força das esquerdas, neste momento, não está nos partidos ou no campo institucional. Está nos coletivos e mobilizações atuais e nas ocupações de escolas e universidades.”

Deputado federal e presidente estadual do PCdoB em São Paulo, Orlando Silva se mostrou confiante sobre o progresso da sigla nos próximos anos. “O PCdoB passou a disputar para valer eleições municipais a partir do ano 2000 e então continuamos crescendo. Considero um crescimento expressivo e o nosso desafio é fazer boas gestões. Eu não diria que há uma conexão direta entre a decadência do PT e o fortalecimento de um dos partidos de esquerda, até porque boa parte do eleitorado que não votou no PT em 2016 votou em partidos conservadores. Temos que refletir o porquê desse movimento, reconstruir as pontes da esquerda com a sociedade para o futuro.”



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;