Economia Titulo Consumo
Região deve movimentar R$ 40 mi na Black Friday

Montante é 34% maior que o registrado no ano
passado; crise impulsiona procura por descontos

Por Paula Oliveira
Especial para o Diário
11/11/2016 | 07:24
Compartilhar notícia
Divulgação


Tanto para os varejistas, que esperam esvaziar seus estoques, quanto para os consumidores, que estão cada vez mais em busca de promoções, por conta da persistente crise, novembro é o mês ideal. Isso porque no dia 25 é realizada a Black Friday, que promete descontos de até 80% em todas as categorias de produtos e serviços. A expectativa é que os moradores do Grande ABC movimentem R$ 40,5 milhões na data, conforme levantamento realizado com exclusividade ao Diário pela BlackFriday.com.br, idealizadora do evento no Brasil.

O montante deve superar em 34% o volume de compras realizadas por consumidores da região na mesma data do ano passado, quando foram desembolsados R$ 26 milhões. Para se ter ideia do quanto isso representa, as cifras ultrapassam a expectativa de gastos para o Dia das Crianças nas sete cidades, conforme projeção da Metodista, de R$ 38 milhões.

“A estimativa, que considera o tráfego no site e o histórico de edições anteriores, inclui Santo André, São Bernardo e São Caetano. E São Bernardo se destaca como a 14ª do ranking das que mais efetuaram compras no Brasil em 2015”, afirma o diretor da BlackFriday.com.br e idealizador do evento, Ricardo Bove. Neste ano, a expectativa é maior porque, na crise, a busca por descontos é maior.

Dentre os produtos e serviços mais almejados pelos consumidores do Grande ABC neste ano, em primeiro lugar aparecem os smartphones (25%), seguidos por televisores (9%) e eletrônicos em geral (8%). Os eletrodomésticos ocupam a quarta posição (7%) e, na sequência, estão notebooks (5%), itens de moda (4%), Playstation 4 (3%) e viagens (2%).

A campanha, que na tradução para o português quer dizer Sexta-feira Negra, é importada dos Estados Unidos. Lá, é quando ocorre a maior liquidação do ano, no dia seguinte ao de Ação de Graças. “Nós trouxemos a data para o Brasil em 2011, pois percebemos que o País carecia de cupons e ofertas. No primeiro ano, as vendas não foram muito representativas aqui mas, a partir de 2012, o número de vendas, em alguns anos, dobrou”, lembra Bove.

Na edição do ano passado, foi movimentado em todo o País R$ 1,5 bilhão, sendo R$ 970 milhões só na região Sudeste. “Agora, esperamos alcançar mais de R$ 2 bilhões em vendas, aumento de 34%. Em relação ao número de pedidos, aguardamos crescimento em torno de 28% neste ano. Em 2015, registramos 3,1 milhões deles. Agora, a expectativa é chegar a 4 milhões.” Quanto ao tíquete médio, estão previstos R$ 500 por pessoa.

PARA PARTICIPAR - As empresas que desejam participar da Black Friday precisam realizar inscrição, até o dia 18, para obter o selo ‘Black Friday Legal 2016’. O selo faz parte do programa da Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico, e foi criado para dar credibilidade à campanha e às lojas participantes. Para fazer parte é preciso associar-se ao Movimento e-MPE.

O passo seguinte é acessar o site http://blackfridaylegal2016.com.br/registro e se submeter a análise da situação da empresa junto à Receita Federal e avaliar se o site informa, em local visível, formas de contato e se a empresa está na lista do Procon de lojas a serem evitadas.


Consumidor tem de pesquisar antes para evitar falsas promoções

Com o número elevado de lojas que fazem algum tipo de promoção, ainda mais em tempos de crise, em que a ânsia por vender é maior, o consumidor deve estar atento a série de fatores para evitar dor de cabeça pós-Black Friday.

Entre as dicas dos especialistas, a primeira é pesquisar em sites de comparação de preços antes, a fim de verificar onde se tem os melhores preços e, então, compará-los com os oferecidos no dia 25, para evitar falsos descontos.

Ainda, verificar se a empresa possui selo de credibilidade, se tem alguma forma de contato direto e testá-lo com antecedência. “No dia da compra, o consumidor deve imprimir ou dar print screen em todos os passos da compra, incluindo o e-mail de confirmação e a autorização dos pagamentos. Como a maioria das vendas é on-line, há possibilidade de fraudes, seja pela má-fé da firma quanto aos preços e condições de pagamento, ou até mesmo em relação à segurança de dados fornecidos”, diz a CEO do Facíleme, Cynthia Akao.
 




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;