Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

‘Cabide’ de Mauá tem 37 indicados


Renan Cacioli
Do Diário do Grande ABC

30/04/2006 | 08:33


Se o Congresso aprovar a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) para acabar com o nepotismo nos órgãos públicos em todo País, o prefeito de Mauá, Leonel Damo (PV), precisará demitir muita gente da administração. O Diário apurou 37 nomes indicados por vereadores, secretários e pelo próprio chefe do Executivo que trabalham no governo. Apesar de não ser ilegal, o cabide de empregos de Mauá deixa transparecer alguns interesses políticos na hora de o prefeito compor sua equipe de confiança.

Damo não esconde algumas de suas indicações. O irmão Ivo Damo é diretor do Departamento de Transportes da Prefeitura. O superintendente da Sama, José Carlos Orosco Júnior, é noivo da filha do prefeito, a vereadora Vanessa Damo (PV). O chefe do Executivo ainda conta ainda com um cunhado – o secretário de Serviços Urbanos, Paulo Roberto de Souza – e duas sobrinhas no governo: Ângela Lucia Damo Chiquetto e Denise Damo, que atuam na Saúde. "Caso a pessoa seja qualificada para o emprego, não importa se é parente. O que não pode é cargo fantasma, quando a pessoa não trabalha", afirma o prefeito.

Por outro lado, Leonel Damo é categórico: se a PEC for aprovada, mandará toda a parentada embora. "Se vier essa lei eu acato no mesmo momento, no dia em que for julgada. Os parentes saem imediatamente", garante.

Quem também teria problemas com a aprovação da emenda seria a família da vice-prefeita. Leni Walendy é casada com o secretário de Planejamento e Meio Ambiente, Sergio Luiz Walendy. A filha do casal, Tathiana Moreno, e dois primos do secretário, Claudia Helena e Harry Horst, também trabalham na administração.

Ainda no primeiro escalão do governo, o secretário de Cidadania e Segurança Comunitária, Lourival Lolô Fargiani, garantiu que a mulher Aparecida Salviatti Fargiani fosse convidada, e não indicada, para ingressar na Prefeitura. "Ela entrou por questão profissional, foi um convite." Aparecida é coordenadora do PAD (Programa de Atendimento Domiciliar) da Secretaria de Saúde. Lolô também contava com a mulher de um sobrinho, Adriana Carla Toledo, que foi exonerada recentemente. "A Adriana não tem vínculo político comigo", justifica o secretário.

Regional – Mauá não é exceção entre as cidades do Grande ABC cujas administrações usam e abusam da contratação de parentes. Em Santo André, João Avamileno (PT), por exemplo, emprega a sogra do filho, Maria Luiza Malatesta, na diretoria do Departamento de Vigilância à Saúde. O prefeito de São Caetano, José Auricchio Júnior (PTB), tem dois irmãos – Marcelo e Sueli – em seu gabinete.

Já o petista José de Filippi Júnior adota o nepotismo cruzado. Ele convocou o filho de Avamileno, Fabrício, para assessorar a Saned (Companhia de Saneamento Básico de Diadema). Em Ribeirão Pires, o prefeito Clóvis Volpi (PV) contratou o filho Raphael Pinheiro como secretário-adjunto de Desenvolvimento Econômico e Finanças. O irmão do prefeito, Antonio Volpi, também foi para a Pasta de Finanças.

Fechando o cabide regional, o prefeito de Rio Grande, Adler Kiko Teixeira (PSDB), tem a irmão, Aida Jardim Teixeira como secretaria de Educação.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;