Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Santo André se despede da Superliga e Celsinho encerra a carreira

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Nilton Valentim
Do Diário do Grande ABC

09/03/2009 | 07:00


A partida entre GAC Logistics/Santo André e Álvares/Vitória , hoje às 18h30, no ginásio Pedro Dell'Antonia, será especial para o líbero Celsinho. Pela última vez ele entrará em quadra como jogador profissional. O confronto, que marca o encerramento da participação do time na Supeliga 2008/2009, será também o de despedida do atleta, após 29 anos de profissão.

"Não tenho nada a reclamar. Ao longo da carreira eu ganhei muita coisa. Não me arrependo de nada. Paro de jogar, mas vou continuar envolvido com o esporte", afirma o jogador de 38 anos, que começou no vôlei em 1980, defendeu algumas das principais equipes do País, como Pirelli, Suzano, Banespa e a Seleção Brasileira (juvenil e adulta) e traz no currículo dois títulos nacionais, três paulistas, um sul-americano de clubes, além de ter vencido a Copa América com a seleção e ter sido quinto no mundial.

Celsinho, que começou a atuar como atacante e depois tornou-se líbero, mais uma vez estará mudando de posição. Sai de quadra o jogador, entra o assistente técnico. "Vou trabalhar ao lado do (Marcelo) Madeira (técnico do Santo André). Agora termina a parte divertida e começa a dor de cabeça, que será comandar os atletas e conviver com as pressões."

Essa temporada - que se encerra hoje para o time de Santo André, que não vai à segunda fase da Superliga - foi praticamente um bônus para Celsinho. Ele iria parar ano passado, mas aceitou jogar mais um período para auxiliar o time, que enfrentou dificuldades para formar o elenco. "Atendi a um pedido do Madeira, para que eu ficasse, pois contava com a minha experiência para auxiliar os garotos do time."

Para deixar as quadras com a sensação de dever cumprido, Celsinho precisa hoje ajudar o Santo André a passar pelo Álvares. Se conquistar a quarta vitória na Superliga (em 22 jogos), o time garante a permanência na competição na temporada seguinte. Se perder mais uma vez, o Santo André passa a depender de um tropeço Bento Vôlei, que encara o Lupo/Náutico, praticamente rebaixado.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Santo André se despede da Superliga e Celsinho encerra a carreira

Nilton Valentim
Do Diário do Grande ABC

09/03/2009 | 07:00


A partida entre GAC Logistics/Santo André e Álvares/Vitória , hoje às 18h30, no ginásio Pedro Dell'Antonia, será especial para o líbero Celsinho. Pela última vez ele entrará em quadra como jogador profissional. O confronto, que marca o encerramento da participação do time na Supeliga 2008/2009, será também o de despedida do atleta, após 29 anos de profissão.

"Não tenho nada a reclamar. Ao longo da carreira eu ganhei muita coisa. Não me arrependo de nada. Paro de jogar, mas vou continuar envolvido com o esporte", afirma o jogador de 38 anos, que começou no vôlei em 1980, defendeu algumas das principais equipes do País, como Pirelli, Suzano, Banespa e a Seleção Brasileira (juvenil e adulta) e traz no currículo dois títulos nacionais, três paulistas, um sul-americano de clubes, além de ter vencido a Copa América com a seleção e ter sido quinto no mundial.

Celsinho, que começou a atuar como atacante e depois tornou-se líbero, mais uma vez estará mudando de posição. Sai de quadra o jogador, entra o assistente técnico. "Vou trabalhar ao lado do (Marcelo) Madeira (técnico do Santo André). Agora termina a parte divertida e começa a dor de cabeça, que será comandar os atletas e conviver com as pressões."

Essa temporada - que se encerra hoje para o time de Santo André, que não vai à segunda fase da Superliga - foi praticamente um bônus para Celsinho. Ele iria parar ano passado, mas aceitou jogar mais um período para auxiliar o time, que enfrentou dificuldades para formar o elenco. "Atendi a um pedido do Madeira, para que eu ficasse, pois contava com a minha experiência para auxiliar os garotos do time."

Para deixar as quadras com a sensação de dever cumprido, Celsinho precisa hoje ajudar o Santo André a passar pelo Álvares. Se conquistar a quarta vitória na Superliga (em 22 jogos), o time garante a permanência na competição na temporada seguinte. Se perder mais uma vez, o Santo André passa a depender de um tropeço Bento Vôlei, que encara o Lupo/Náutico, praticamente rebaixado.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;