Fechar
Publicidade

Domingo, 25 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Dia do Trabalho é marcado por manifestações na Argentina


Da AFP

01/05/2005 | 16:22


Integrantes de organizações sindicais, estudantis, políticas e de movimentos sociais se reúnem neste domingo na Argentina para protestar durante o Dia Internacional do Trabalho contra os baixos salários e o desemprego.

Um dos principais protestos acontece na Praça de Maio, convocado por grupos de esquerda e alas mais radicais dos movimentos sociais, para exigir um salário mínimo de 1,7 mil pesos (cerca de US$ 580), redução da jornada de trabalho a seis horas e o reajuste das aposentadorias.

Em frente à Casa Rosada, os dirigentes lerão o documento "Contra o Governo e o Imperialismo". O presidente da CTA (Central dos Trabalhadores Argentinos), Víctor de Gennaro, anunciou sua participação em um ato da Coordenadoria de Centrais Sindicais do Cone Sul, que será realizado na cidade brasileira de Foz do Iguaçu, na fronteira com o Brasil.

A CGT (Confederação Geral do Trabalho), cuja cúpula está ligada ao partido Justicialista, não anunciou atos, ainda que algumas organizações sindicais e movimentos sociais aliados do presidente Néstor Kirchner tenham protestos previstos em Buenos Aires e em sua populosa periferia.

Os partidários de Raúl Castells, do Movimento Independente de Aposentados e Desempregados, participarão de um comício que lançará a candidatura da mulher deste líder, "Nina" Pelozo, ao Senado pela província de Buenos Aires.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dia do Trabalho é marcado por manifestações na Argentina

Da AFP

01/05/2005 | 16:22


Integrantes de organizações sindicais, estudantis, políticas e de movimentos sociais se reúnem neste domingo na Argentina para protestar durante o Dia Internacional do Trabalho contra os baixos salários e o desemprego.

Um dos principais protestos acontece na Praça de Maio, convocado por grupos de esquerda e alas mais radicais dos movimentos sociais, para exigir um salário mínimo de 1,7 mil pesos (cerca de US$ 580), redução da jornada de trabalho a seis horas e o reajuste das aposentadorias.

Em frente à Casa Rosada, os dirigentes lerão o documento "Contra o Governo e o Imperialismo". O presidente da CTA (Central dos Trabalhadores Argentinos), Víctor de Gennaro, anunciou sua participação em um ato da Coordenadoria de Centrais Sindicais do Cone Sul, que será realizado na cidade brasileira de Foz do Iguaçu, na fronteira com o Brasil.

A CGT (Confederação Geral do Trabalho), cuja cúpula está ligada ao partido Justicialista, não anunciou atos, ainda que algumas organizações sindicais e movimentos sociais aliados do presidente Néstor Kirchner tenham protestos previstos em Buenos Aires e em sua populosa periferia.

Os partidários de Raúl Castells, do Movimento Independente de Aposentados e Desempregados, participarão de um comício que lançará a candidatura da mulher deste líder, "Nina" Pelozo, ao Senado pela província de Buenos Aires.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;