Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Região metropolitana de São Paulo diz não às armas de fogo


Fabrício Calado Moreira
Do Diário do Grande ABC

10/10/2005 | 08:03


Se depender dos prefeitos da Região Metropolitana de São Paulo, o comércio de armas de fogo e munição será proibido no Brasil. A moção de apoio ao desarmamento, lançada pelo FMSP (Fórum Metropolitano de Segurança Pública), está assinada por 33 dos 39 municípios da Região Metropolitana, que tem quase 20 milhões de habitantes – metade da população do Estado.

No Grande ABC, prefeitos de três cidades votarão ‘não’ à proibição do comércio de armas e munição no país no referendo de 23 de outubro: Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra. Ribeirão, onde fica a sede da CBC (Companhia Brasileira de Cartuchos), tem, inclusive, campanha pelo ‘não’, com direito a outdoors espalhados pela cidade com a foto do prefeito Clóvis Volpi (PV), contrário ao fim do comércio de armas.

O prefeito de Rio Grande da Serra, Adler Kiko Teixeira (PSDB), que até a semana passada dizia que não revelaria sua opção, definiu que votará contra o desarmamento. O tucano insistia em não se manifestar "para não influenciar o eleitorado". Kiko explicou sua opção: "Criminosos não compram armas legalizadas nem procuram legalizar as que têm."

Além de Mauá, Ribeirão e Rio Grande, também são contra a proibição do comércio de armas Barueri e Embú-Guaçu. Poá não definiu posição. O número de assinaturas à moção de apoio do Fórum de Segurança reflete o resultado da pesquisa Brasmarket/Diário feita em julho, que apontou que 81,6% dos eleitores do Grande ABC são a favor do desarmamento. Os 33 municípios partidários do ‘sim’ equivalem a 84% da Região Metropolitana de São Paulo.

Surpresa – Segundo o secretário executivo do Instituto São Paulo Contra a Violência, que integra o FMSP, o número de signatários ao manifesto surpreendeu. "Achei que seria mais equilibrado, mas o resultado foi favorável", avalia. A coordenadora-geral do fórum e ex-prefeita de Ribeirão Pires Maria Inês Soares crê que a forte adesão reflete a avaliação popular sobre a questão do desarmamento. "Obviamente, o resultado é um pouco o que o conjunto da sociedade pensa", declara.

Para Maria Inês, a pergunta sobre a proibição do comércio de armas é confusa. "É para você querer que não venda mais e vota sim. Mas a propaganda na televisão vai ajudar bastante", acredita. O secretário-executivo do São Paulo Contra a Violência diz não ter objeções à questão formulada, considerando-a "razoavelmente clara". "Poderia ser mais, mas tinha de ser essa, porque outra pergunta estaria mais sujeita a manipulações." Ele considera que a questão "O comércio de armas de fogo e munições deve ser proibido no Brasil?" não beneficia nenhum dos lados.

Confusa ou não, no Grande ABC, o placar entre as prefeituras está quase definido: quatro ‘sim’ e três ‘não’. Diniz Lopes (PL), prefeito interino de Mauá, ainda não definiu o voto, mas diz-se "praticamente disposto a votar ‘não‘. Os prefeitos João Avamileno (Santo André), William Dib (São Bernardo) e José de Filippi Júnior (Diadema) prometeram ir às ruas fazer campanha pelo desarmamento. José Auricchio Júnior, chefe do Executivo de São Caetano, não pretende fazer campanha, mas também é contra a venda de armas.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;