Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Cruzeiro sai na frente na decisão da Copa dos Campeões


Nelson Cilo
Do Diário do Grande ABC

01/08/2002 | 00:55


Ao ganhar do Paysandu por 2 a 1 nesta quarta à noite, no primeiro confronto das finais da Copa dos Campeões, o Cruzeiro deu um passo importante para conquistar o título, domingo, em Fortaleza. Talvez os mineiros tenham vencido seu maior obstáculo, já que a partida desta quarta aconteceu em pleno estádio Mangueirão, em Belém do Pará, a casa do Paysandu.

Agora, o Cruzeiro só precisa do empate. No comecinho, já ameaçaria, mas o chute de Lucas pegou na rede. Os mineiros atacavam muito mais e exploravam as rápidas saídas de bola. O esquema de Marco Aurélio se utilizava bem dos avanços dos laterais Maicon e Leandro. Ricardinho rodava pelo meio. Logo aos 14 minutos, Fábio Júnior colocou o Cruzeiro na frente ao concluir, de cabeça, o cruzamento de Jorge Wagner.

Era como se a vantagem esfriasse temporariamente o Cruzeiro, que diminuiu o ritmo. Aos poucos, o time de Minas permitia que o Paysandu ocupasse os espaços no meio-campo. A equipe de Givanildo impunha um ritmo veloz. Aos 17, os paraenses quase chegaram lá, mas o goleiro Jefferson evitou o pior. Aos 24, Welber tentou forçar um pênalti – depois de um passe de Jajá, que o deixou livre na área –, mas o árbitro ignorou a simulação.

Aos 30, enfim, o Paysandu igualou tudo. Welber cobrou a falta, que acertou a trave. A bola sobrou na canhota de Sandro, que só conferiu no canto direito, indefensável para o goleiro Jefferson – 1 a 1. Valeu a persistência de quem buscava o ataque constantamente.

Ao contrário do que aconteceu até a metade da etapa inicial, o time da casa já se impunha. De repente, o Cruzeiro sentiu que a fórmula mais adequada era sair novamente para o confronto. Só que o Paysandu marcava forte. Os laterais Marcos e Luiz Fernando insistiam nas jogadas de linha de fundo. Os atacantes Vandick e Jajá se movimentavam muito para atrair os zagueiros, mas encaravam vigilância de Cris e Luizão.

Na etapa complementar, o Cruzeiro retomou o domínio e pressionava seguidamente. Aos 18 minutos, Jussiê pegou a defesa desatenta para restabelecer o resultado favorável, depois de receber um passe de Joãozinho. O Paysandu, sem o embalo que antes o havia levado à reação, sentiu o impacto do gol. Aos 31, o goleiro Marcos impediu que Fábio Júnior pudesse ampliar. A tática do Cruzeiro priorizava as constantes inversões. Aos 42, Albertinho desperdiçou um pênalti – a bola saiu fora – que teria livrado o Paysandu da derrota.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cruzeiro sai na frente na decisão da Copa dos Campeões

Nelson Cilo
Do Diário do Grande ABC

01/08/2002 | 00:55


Ao ganhar do Paysandu por 2 a 1 nesta quarta à noite, no primeiro confronto das finais da Copa dos Campeões, o Cruzeiro deu um passo importante para conquistar o título, domingo, em Fortaleza. Talvez os mineiros tenham vencido seu maior obstáculo, já que a partida desta quarta aconteceu em pleno estádio Mangueirão, em Belém do Pará, a casa do Paysandu.

Agora, o Cruzeiro só precisa do empate. No comecinho, já ameaçaria, mas o chute de Lucas pegou na rede. Os mineiros atacavam muito mais e exploravam as rápidas saídas de bola. O esquema de Marco Aurélio se utilizava bem dos avanços dos laterais Maicon e Leandro. Ricardinho rodava pelo meio. Logo aos 14 minutos, Fábio Júnior colocou o Cruzeiro na frente ao concluir, de cabeça, o cruzamento de Jorge Wagner.

Era como se a vantagem esfriasse temporariamente o Cruzeiro, que diminuiu o ritmo. Aos poucos, o time de Minas permitia que o Paysandu ocupasse os espaços no meio-campo. A equipe de Givanildo impunha um ritmo veloz. Aos 17, os paraenses quase chegaram lá, mas o goleiro Jefferson evitou o pior. Aos 24, Welber tentou forçar um pênalti – depois de um passe de Jajá, que o deixou livre na área –, mas o árbitro ignorou a simulação.

Aos 30, enfim, o Paysandu igualou tudo. Welber cobrou a falta, que acertou a trave. A bola sobrou na canhota de Sandro, que só conferiu no canto direito, indefensável para o goleiro Jefferson – 1 a 1. Valeu a persistência de quem buscava o ataque constantamente.

Ao contrário do que aconteceu até a metade da etapa inicial, o time da casa já se impunha. De repente, o Cruzeiro sentiu que a fórmula mais adequada era sair novamente para o confronto. Só que o Paysandu marcava forte. Os laterais Marcos e Luiz Fernando insistiam nas jogadas de linha de fundo. Os atacantes Vandick e Jajá se movimentavam muito para atrair os zagueiros, mas encaravam vigilância de Cris e Luizão.

Na etapa complementar, o Cruzeiro retomou o domínio e pressionava seguidamente. Aos 18 minutos, Jussiê pegou a defesa desatenta para restabelecer o resultado favorável, depois de receber um passe de Joãozinho. O Paysandu, sem o embalo que antes o havia levado à reação, sentiu o impacto do gol. Aos 31, o goleiro Marcos impediu que Fábio Júnior pudesse ampliar. A tática do Cruzeiro priorizava as constantes inversões. Aos 42, Albertinho desperdiçou um pênalti – a bola saiu fora – que teria livrado o Paysandu da derrota.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;