Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Filho do dono da Gautama é liberado após prestar depoimento


Do Diário OnLine
Com Agência Brasil

28/05/2007 | 19:44


Rodolpho de Albuquerque Soares de Veras, filho do dono da construtora Gautama, centro do esquema de fraude em licitações públicas desmantelado pela Operação Navalha, foi liberado no início da tarde desta segunda-feira pela ministra do STJ (Superior Tribunal de Justiça) Eliana Calmon, após depor prestar depoimento.

A ministra também relaxou a prisão de Henrique Garcia e Tereza Freire Lima, ambos ligados à construtora Gautama. Segundo a assessoria de imprensa do STJ, a ministra informou que a depoente conseguiu o alvará de soltura  apesar de ela ter "mentido" e "omitido" informações durante o depoimento, "por não oferecer risco à coleta de provas do inquérito".

Até o momento, de todos os acusados que prestaram depoimento no STJ, 40 conseguiram liberdade. Dos que já comparecerem ao STJ, só permaneceram presos o dono da Gautama, Zuleido Veras, dois diretores da empresa, Vicente Coni e Maria Fátima Palmeira, e o funcionário da construtora João Manoel Barros.

No último sábado, Zuleido Veras se recusou a depor no STJ e voltou para a carceragem da Polícia Federal. Ele entrou com pedido de habeas corpus no Supremo Tribunal Federal, mas o ministro Gilmar Mendes aguarda mais informações antes de decidir se liberta o acusado.

Das pessoas que foram presas na operação, restam depor dois suspeitos. São eles Abelardo Sampaio Lopes Filho, diretor da construtora e Gil Jacó Carvalho Santos, diretor financeiro da empresa.

Durante a Operação Navalha, a Polícia Federal prendeu 48 suspeitos envolvidos no esquema de fraudes em licitações e desvio de recursos de obras públicas.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;