Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Cibercondríacos



12/08/2011 | 00:00



Você sente um mal estar, corre para a internet e pesquisa um a um os sintomas que está sentindo?

Depois, munido deste material e desconfiado que só pode estar com uma doença muito grave, corre mais rápido ainda para o consultório médico? Você pode estar é "cibercondríaco", termo usado para pessoas que usam a rede em busca de doenças.

É bem verdade que a pesquisa pode lhe render maior base para um diálogo com seu médico, mas é preciso cautela para que todo esse material de informação disponível na rede sobre as doenças não venha a ter efeito contrário, ou seja, prejudique sua saúde ao invés de ajudar. Pela internet a pessoa leiga toma acesso a informações gerais, que necessariamente podem não se aplicar ao sintoma específico, gerando ansiedade e falta de comunicação durante a consulta médica.

Outro perigo é a pessoa se automedicar a partir de informações que retirou da internet. Nada substitui a avaliação clínica.

Por Yasmin Barcellos


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Cibercondríacos


12/08/2011 | 00:00



Você sente um mal estar, corre para a internet e pesquisa um a um os sintomas que está sentindo?

Depois, munido deste material e desconfiado que só pode estar com uma doença muito grave, corre mais rápido ainda para o consultório médico? Você pode estar é "cibercondríaco", termo usado para pessoas que usam a rede em busca de doenças.

É bem verdade que a pesquisa pode lhe render maior base para um diálogo com seu médico, mas é preciso cautela para que todo esse material de informação disponível na rede sobre as doenças não venha a ter efeito contrário, ou seja, prejudique sua saúde ao invés de ajudar. Pela internet a pessoa leiga toma acesso a informações gerais, que necessariamente podem não se aplicar ao sintoma específico, gerando ansiedade e falta de comunicação durante a consulta médica.

Outro perigo é a pessoa se automedicar a partir de informações que retirou da internet. Nada substitui a avaliação clínica.

Por Yasmin Barcellos

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;