Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Golpe da mudança é visto como 'praxe' nas Forças Armadas


Do Diário do Grande ABC

16/08/2000 | 11:41


A procuradora-geral da Justiça Militar, Adriana Lorandi Ferreira Carneiro, determinou em 26 de junho a instauraçao de inquérito civil público para apurar a utilizaçao das vantagens determinadas pela Lei 8.237, de 1991, que prevê o pagamento de transporte e bagagem a militares transferidos para a reserva remunerada que se mudam de cidade.

Ela acusa Marinha, Exército e Aeronáutica de ``inoperância'' diante do que ficou conhecido como o ``golpe da transferência'', pelo qual militares simulariam mudar de cidade para receber benefícios de até R$ 30 mil, dependendo da patente e da distância entre o município de origem e o de destino.

Segundo a procuradora, a inoperância dos três comandos ``tem proporcionado a repetiçao de tal prática de forma usual, a ponto de ser apontada e confundida por muitos militares como `praxe' nas Forças Armadas''.

Na portaria que determinou a abertura de inquérito civil público, Adriana Lorandi afirma ainda que os controles da administraçao militar sobre a concessao e o uso de verbas sao ``insuficientes e ineficazes''. Ela ordenou o levantamento dos inquéritos policiais militares e de sindicâncias que tramitam na Justiça Militar em todo o país.

Com a decisao da procuradora, o Ministério da Defesa iniciou, a pedido do Exército, análise da validade do inquérito. Isso porque, segundo o comandante da corporaçao, general Gleuber Vieira, haveria ``dualidade'' nas investigaçoes, já que as possíveis irregularidades estariam sendo apuradas pelo Superior Tribunal Militar. ``Da parte do Exército, todas as informaçoes estao sendo prestadas à procuradoria'', informava o general.

O ministro da Defesa, Geraldo Quintao, confirmou a avaliaçao do inquérito e informou que estava recebendo as informaçoes sobre todos os casos pelos comandos das três forças. A procuradora Adriana Lorandi, que nao fala do assunto com jornalistas, disse apenas que as supostas fraudes sao ``confidenciais e devem ser tratadas com cuidado''.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;