Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Sílvia Regina é única juíza do Brasil em curso da Fifa


Das Agências

17/02/2005 | 13:29


Num momento em que o trabalho dos árbitros no Campeonato Paulista é questionado pelos treinadores, o Grande ABC exporta sua principal representante no apito para trabalhar junto à Fifa (Federação Internacional de Futebol). Sílvia Regina de Oliveira, (foto) nascida em Mauá e moradora de Santo André, foi indicada pela entidade máxima do futebol mundial para participar do Curso de Desenvolvimento de Arbitragem Feminina, visando a Copa do Mundo de Futebol Feminino de 2007, na China.

Sílvia Regina é o único nome do Brasil e estará acompanhada de apenas mais duas companheiras da Conmebol (sigla de Confederação Sul-Americana de Futebol) – as outras participantes são filiadas às demais confederações do continente. O primeiro trabalho da árbitra no curso será na Copa Algarve, em Portugal, de 7 a 16 de março, quando será realizado um workshop. As mulheres seguem os homens, que já estão participando de um curso semelhante, tendo em vista a Copa do Mundo de 2006, na Alemanha.

Sílvia Regina, inclusive, está com prestígio na Fifa. Nos Jogos Olímpicos de Atenas, ela foi a única brasileira a fazer parte do quadro de árbitras – a assistente Ana Paula de Oliveira também participou da competição – e no Guia Oficial de Arbitragem da Fifa de 2005, teve sua foto estampada na capa.

No âmbito nacional, a árbitra, que tem 24 anos de carreira e 40 de idade, também acumula três importantes marcas. Ela foi a primeira mulher a apitar uma partida de futebol masculino no Campeonato Paulista, em 2001, no jogo entre Mogi Mirim e São Paulo. Dois anos mais tarde foi a vez de debutar no Campeonato Brasileiro, quando comandou o confronto do Tricolor com o Guarani, e na Copa Sul-Americana, na partida entre Santos e São Caetano.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;