Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Via estreita põe em risco moradores de Sto.André

Celso Luiz  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Veículos estacionados e alto fluxo de caminhões ocasionam diversos acidentes em rua do bairro


Leonardo Santos
Especial para o Diário

17/09/2016 | 07:00


 Moradores da Rua Grã-Bretanha, no bairro Príncipe de Gales, em Santo André, estão insatisfeitos com o espaço estreito da via. Segundo a população, a área, próxima à Avenida Príncipe de Gales, tem constante fluxo de caminhões, que transtornam e assustam moradores devido aos frequentes acidentes que acontecem na região.

Embora o tráfego de caminhões seja proibido na via, com sinalização espalhada por todo seu trecho, moradores relatam a dificuldade que enfrentam diariamente.

Na noite de quinta-feira, por exemplo, equipe de reportagem do Diário registrou um dos problemas citados por moradores. Na ocasião, um caminhão que passava na via ficou preso após não conseguir passar numa curva da rua. O veículo teve que ser retirado por um guincho no fim da noite.

A dona de casa Joana Silva, 78 anos, comenta que a velocidade que os veículos descem a via a assusta e que o local sempre teve problemas com a passagem de caminhões. “Ficamos com medo que uma casa seja atingida um dia”, comenta. “Com essa velocidade, alguém pode se machucar gravemente.”

Para o aposentado Reginaldo Alves, 74, os veículos estacionados próximos às calçadas, que estreitam mais ainda a rua, são os principais problemas. “Não há muito espaço e os carros atrapalham mais ainda”, salienta. “Deveria ser proibido, porque o risco de acidentes por causa dos caminhões é enorme.”

Ontem de manhã, enquanto o Diário estava no local, foi possível verificar diversos veículos estacionados próximos às guias, fazendo com que motoristas se locomovam com dificuldade.

A doméstica Simone Machado, 45, afirma que pedestres devem redobrar atenção ao circularem pelo local. “Muitos idosos moram e andam por essa região. É perigoso demais atravessar a rua, principalmente no horário de pico.”

Em nota, a Prefeitura de Santo André, por meio do Departamento de Engenharia de Tráfego, disse que no local existe sinalização de proibição de circulação de caminhões, no entanto, o local será vistoriado na próxima semana para que seja possível buscar alternativa técnica, além da sinalização vigente.

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Via estreita põe em risco moradores de Sto.André

Veículos estacionados e alto fluxo de caminhões ocasionam diversos acidentes em rua do bairro

Leonardo Santos
Especial para o Diário

17/09/2016 | 07:00


 Moradores da Rua Grã-Bretanha, no bairro Príncipe de Gales, em Santo André, estão insatisfeitos com o espaço estreito da via. Segundo a população, a área, próxima à Avenida Príncipe de Gales, tem constante fluxo de caminhões, que transtornam e assustam moradores devido aos frequentes acidentes que acontecem na região.

Embora o tráfego de caminhões seja proibido na via, com sinalização espalhada por todo seu trecho, moradores relatam a dificuldade que enfrentam diariamente.

Na noite de quinta-feira, por exemplo, equipe de reportagem do Diário registrou um dos problemas citados por moradores. Na ocasião, um caminhão que passava na via ficou preso após não conseguir passar numa curva da rua. O veículo teve que ser retirado por um guincho no fim da noite.

A dona de casa Joana Silva, 78 anos, comenta que a velocidade que os veículos descem a via a assusta e que o local sempre teve problemas com a passagem de caminhões. “Ficamos com medo que uma casa seja atingida um dia”, comenta. “Com essa velocidade, alguém pode se machucar gravemente.”

Para o aposentado Reginaldo Alves, 74, os veículos estacionados próximos às calçadas, que estreitam mais ainda a rua, são os principais problemas. “Não há muito espaço e os carros atrapalham mais ainda”, salienta. “Deveria ser proibido, porque o risco de acidentes por causa dos caminhões é enorme.”

Ontem de manhã, enquanto o Diário estava no local, foi possível verificar diversos veículos estacionados próximos às guias, fazendo com que motoristas se locomovam com dificuldade.

A doméstica Simone Machado, 45, afirma que pedestres devem redobrar atenção ao circularem pelo local. “Muitos idosos moram e andam por essa região. É perigoso demais atravessar a rua, principalmente no horário de pico.”

Em nota, a Prefeitura de Santo André, por meio do Departamento de Engenharia de Tráfego, disse que no local existe sinalização de proibição de circulação de caminhões, no entanto, o local será vistoriado na próxima semana para que seja possível buscar alternativa técnica, além da sinalização vigente.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;