Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

CPFL afirma que preços de novo leilão de energia são mais realistas



16/09/2016 | 07:10


O presidente da CPFL Energia, André Dorf, disse na quinta-feira, 15, que o novo preço estabelecido para a distribuidora goiana Celg D é mais realista e representa um avanço em relação ao leilão anterior. Entretanto, a participação da companhia no novo leilão ainda depende de uma análise mais profunda. "O preço é mais realista, mas ainda precisamos atualizar as projeções de mercado, sinergias, custo e funding. Ainda não temos uma posição", disse, em reunião com analistas e investidores. A empresa projeta atualmente um crescimento de 1% para o consumo de energia em 2017.

Na quinta-feira, foi anunciado o novo valor proposto pelo Conselho do Programa de Parcerias de Investimento da Presidência da República (PPI) para a Celg D, de R$ 4,448 bilhões. Ao considerar dívidas e outras obrigações, o valor líquido de 100% da Celg D ficou em R$ 1,792 bilhões. Conforme publicado no Diário Oficial da União, o governo definiu em R$ 1,708 bilhão o preço mínimo de venda.

Dorf salientou que a mudança de controle da companhia, reflexo da venda da participação da Camargo Corrêa para a chinesa State Grid, não paralisa a análise de oportunidades de fusões e aquisições pela CPFL. "Mesmo com a transição do controle, a vida segue para a companhia. Seguimos avaliando a participação em leilões e (outras) oportunidades."

Operação

A CPFL Energia espera concluir em algumas semanas a operação de compra da AES Sul. A companhia já obteve as aprovações regulatórias da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Agora, tenta concluir a negociação com os credores, incluindo os bancos. A distribuidora gaúcha possui cerca de R$ 1,1 bilhão em dívidas.

Dorf afirmou que só pretende fazer comentários sobre as eventuais sinergias com a AES Sul após a conclusão do negócio. No entanto, como a companhia tem uma área de concessão contígua à da RGE (uma empresa da CPFL), espera-se que o grupo possa obter ganhos de escala com o negócio. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;