Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 3 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Cheque especial fica
mais caro em junho


Pedro Souza
Do Diário do Grande ABC

10/06/2011 | 07:10


A modalidade do cheque especial encareceu nos principais bancos que atendem a população. Pesquisa do Procon-SP, realizada no dia 1º, apontou que a taxa média de juros desse empréstimo aumentou 0,06 ponto percentual. O custo passou de 9,47% ao mês para 9,53%.

Para realizar o levantamento, o Procon-SP considerou o preço do cheque especial com pagamento após 30 dias, com taxas máximas pré-fixadas para clientes não preferenciais.

A Caixa Econômica Federal teve a maior elevação entre as sete instituições financeiras pesquisadas. O banco ajustou sua taxa de 7,95% ao mês, verificada em maio, para 8,27%. Por outro lado, esses são os menores juros da pesquisa, nessa modalidade.

Em seguida aparece o Banco do Brasil. A instituição financeira pública elevou os juros do limite do cheque em 0,10 ponto percentual. O custo passou de 8,27% ao mês para 8,37%.

Com isso, a taxa média dos bancos ficou em 9,53% ao mês e transformando para taxa anual, seriam 198,17%.

Na ponta do lápis, quem deixar para pagar o cheque especial 30 dias após entrar no limite, pagará, em média, 9,53% a mais sobre o valor. Se o empréstimo foi de R$ 750, a dívida se transformaria em R$ 821,47. Apenas os juros são R$ 71,47.

Os demais bancos pesquisados não alteraram suas taxas, para esse produto, em relação ao mês passado. O Bradesco cobra 8,85% ao mês na modalidade. O Itaú Unibanco, líder na lista de reclamações de abril do Banco Central, cobra 8,99%. No HSBC e no Santander, os juros são, respectivamente, de 9,95% e 9,99%.

O Procon apurou que o Banco Safra tem a maior taxa de juros no cheque especial, com 12,30% ao ano.

No último Boletim de Operações de Crédito do Banco Central, referente a abril, consta que os usuários de cheque especial demoram, em média, 23 dias para liquidar o empréstimo. Portanto, esses consumidores ficam, aproximadamente, três semanas por mês no vermelho.

A entidade de defesa do consumidor levantou o custo dos empréstimos pessoais nas mesmas instituições financeiras, mas não houve alteração na média em comparação com maio.

Nesse segmento, a Caixa tem o crédito mais barato entre os sete bancos. A instituição cobra 4,95% ao mês. Em seguida aparecem o HSBC, Banco do Brasil e Safra com, respectivamente, 4,99% ao mês, 5,39% e 5,40%.

O Santander tem juros de 5,99%, Bradesco cobra 6,10% e, no Itaú Unibanco, o empréstimo custa 6,41% ao mês.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;