Fechar
Publicidade

Sábado, 21 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Gol no fim dá sobrevida
ao time do Santo André

Tento aos 46 minutos do 2º tempo diminui desvantagem
e a equipe decide vaga em Goiânia pela Copa do Brasil


Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

02/05/2013 | 07:00


Dois tempos distintos, um adversário complicado, mas um gol aos 46 minutos do segundo tempo que levou o time a decidir a vaga no jogo da volta. Este foi o cenário do duelo entre Santo André e Goiás, que se enfrentaram ontem à tarde, no Estádio Bruno Daniel.

O time do Grande ABC fez grande primeira etapa, mas permitiu a virada dos visitantes, que venceram por 3 a 2 e não fosse um gol de Gustavo no fim do jogo, o Ramalhão estaria eliminado da Copa do Brasil. Mesmo em desvantagem, a equipe andreense inicia hoje a preparação para o segundo encontro, no dia 15, no Serra Dourada, em Goiânia.

O técnico Dedimar surpreendeu na escalação dos titulares ao lançar o jovem Léo Carvalho, contratado como lateral-direito, no meio de campo - sua posição de origem. Fábio Santos era o homem mais avançado, praticamente isolado no ataque, sendo servido por Luciano Henrique e Élvis.

A primeira etapa do Santo André foi de muita obediência tática. Encarou de igual para igual adversário visivelmente superior tecnicamente. O Goiás tentava penetrar na defesa a partir de boas tramas, mas Rogélio, Júnior Paulista, Jardel e Elielton iniciaram soberanos, dando tranquilidade para o time criar.

E, aos nove minutos, veio a primeira chance do Ramalhão. Luciano Henrique cobrou escanteio, Júnior Paulista desviou e a zaga goiana tirou quase sobre a linha.

A primeira chegada boa dos visitantes foi aos 17. Após escanteio, Valmir Lucas cabeceou e Adilson pôs a escanteio. Aliás, esses dois personagens ainda protagonizariam lances que resultaram em gol.

Aos 33, o zagueiro do Goiás errou o passe e jogou nos pés de Fábio Santos, que roubou a bola, invadiu a área e foi derrubado pelo próprio Valmir. Élvis cobrou o pênalti e pôs o Santo André em vantagem.

Mas nem deu tempo para muita comemoração. Aos 37, após falta duvidosa de Júnior Paulista sobre Walter, este cobrou forte, no canto de Adilson, que não viu a bola: 1 a 1.

Na segunda etapa, o Santo André até voltou melhor que o Goiás, mas aos poucos pareceu ter se perdido em campo. Aos 17, gol anulado de Hugo - impedido - já era sinal de que algo não estava bem. E sete minutos depois, a confirmação: Walter fez o pivô e tocou para Eduardo Sasha finalizar. A bola desviou em Élvis e entrou.

O time andreense estava atordoado e, aos 28, levou o terceiro. Após cruzamento de Walter, a zaga não cortou e depois de bate-rebate, Eduardo Sasha apareceu para empurrar para a rede: 3 a 1.

O Santo André parecia entregue. Mas Dedimar lançou Gustavo, Luiz Ricardo e Alan em campo para dar outro fôlego e buscar ao menos um gol. E, aos 46 minutos, foi premiado. Após bola cruzada por Luciano Henrique, Harlei e Luiz Ricardo dividiram, a bola sobrou para Gustavo diminuir a desvantagem e levar a decisão da vaga à terceira fase a Goiás.

 

Derrota com sabor de vitória, diz Gustavo

Analisando-se friamente a frase do atacante Gustavo após a partida - "Foi uma derrota que pode-se dizer que teve sabor de vitória" - seria possível imaginar que o jovem atleta ramalhino está louco. Mas vendo a situação no geral, na qual o Santo André estava sendo eliminado até o gol aos 46 minutos do segundo tempo, a declaração é compreensível.

"Foi um gol que ajudou a não sermos eliminados antes da hora. Graças a Deus pude fazer o segundo tento e nos dar a chance de ter o jogo da volta em Goiás. Vamos com o intuito de vencer. O futebol dá a segunda chance para a gente e vamos tentar reverter lá", destacou Gustavo. "Tive a felicidade de estar no lugar certo e na hora certa, e pegar bem na bola, porque se não, erraria por muito", emendou o jogador, que, apesar de destro, fez o gol de canhota.

Titular durante grande parte do Paulista da Série A-2, ontem mais uma vez Gustavo iniciou o jogo no banco de reservas. Porém, vê seu gol como grande oportunidade de reaver seu espaço entre os 11 que vão começar o duelo em Goiás. "Posso sim. Estou trabalhando para isso, mas primeiramente para ajudar a equipe. A titularidade é consequência."

O passo inicial para reconquistar a posição é ter reconhecimento do treinador e Dedimar elogiou o desempenho do atacante. "Ele entrou, incomodou a defesa e foi feliz ao fazer gol que reacende nossa perspectiva".

 

Dedimar exalta Ramalhão manter fio de esperança

Clima de alívio misturado ao sentimento de que é possível reverter em Goiânia a vantagem imposta ontem pelo Goiás. Este era o ambiente no vestiário do Santo André após a derrota por 3 a 2. O gol de Gustavo no fim não apenas manteve o Ramalhão vivo no torneio, mas deu ânimo a todos do clube.

"Foi algo que reacendeu nossas chances, deixou um fio de esperança. O Santo André sempre viveu assim, de resultados improváveis ou impossíveis. E esse gol foi assim", destacou o técnico Dedimar. "É importante reconhecer que jogamos contra um time qualificado, que atua há muito tempo junto, enquanto nós vivemos momento de reconstrução. Estamos na Série D e encaramos uma equipe de Série A. Nossa realidade é totalmente outra. Por isso temos de dar crédito a esses atletas, manter as esperanças e ir à luta, que tem sido o lema desde a minha chegada", emendou o comandante ramalhino.

Porém, o treinador não deixou de citar que os gols sofridos ontem foram frutos de falhas individuais - sobretudo de Adilson, no primeiro tento goiano, na falta bem batida por Walter. "Ele errou, mas está sujeito a isso. Ninguém pode crucificá-lo, porque foi um dos responsáveis por nossa classificação", defendeu Dedimar. "O problema é que no segundo tempo voltamos muito abaixo, nos perdemos na marcação e levamos dois gols que não poderíamos. Alguns erros permaneceram e temos de corrigí-los. Mesmo assim conseguimos nos superar, agora é melhorar, trabalhar e acredito na força do grupo."

A partir de hoje, o elenco e a comissão técnica passam a pensar efetivamente no jogo da volta, mas o treinador já deu alguns indícios do que precisa ser feito no duelo marcado para dia 15, no Serra Dourada. "Precisamos ser ousados, mas não displicentes. Temos de procurar a melhor forma, centímetro a centímetro, jogada a jogada, acreditando que é possível", definiu Dedimar, que tenta agendar jogo treino para a próxima semana.

 

Vínculo de Ramalho termina hoje e diretoria negocia renovação

Considerado o grande ‘maestro' do time do Santo André, o volante Ramalho tem futuro incerto no clube. Seu contrato termina hoje, e tanto o jogador quanto a diretoria ramalhina manifestaram interesse em renovar o vínculo. Falta, no entanto, o acordo entre as partes para finalizar a negociação.

"Minha intenção é ficar, ainda mais agora com o segundo jogo (contra o Goiás). Gosto do Santo André. Costumo brincar que tenho sangue azul (em referência à cor do time). Vamos conversar para ver a situação", disse o jogador andreense. "Tudo vai depender dele se enquadrar na filosofia e realidade do clube. A Série D é outro tipo de campeonato. Conversei com ele após o treino de segunda-feira que queremos que continue, mas o clube não vai e não pode sair do orçamento e fazer loucura", emendou o presidente Celso Luiz de Almeida, que promete novidades até o fim da semana.

NA TORCIDA

Ontem, Ramalho teve de se contentar em assistir ao jogo da arquibancada. E o volante não esteve acompanhado apenas das mais de 2.000 pessoas presentes (1.990 pagantes), como também dos ex-ramalhinos Sérgio Soares e Sandro Gaúcho. "É horrível. Não tem comparação, o melhor é estar lá dentro do campo, a adrenalina é outra. Agora entendo um pouco mais a torcida", destacou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gol no fim dá sobrevida
ao time do Santo André

Tento aos 46 minutos do 2º tempo diminui desvantagem
e a equipe decide vaga em Goiânia pela Copa do Brasil

Dérek Bittencourt
Do Diário do Grande ABC

02/05/2013 | 07:00


Dois tempos distintos, um adversário complicado, mas um gol aos 46 minutos do segundo tempo que levou o time a decidir a vaga no jogo da volta. Este foi o cenário do duelo entre Santo André e Goiás, que se enfrentaram ontem à tarde, no Estádio Bruno Daniel.

O time do Grande ABC fez grande primeira etapa, mas permitiu a virada dos visitantes, que venceram por 3 a 2 e não fosse um gol de Gustavo no fim do jogo, o Ramalhão estaria eliminado da Copa do Brasil. Mesmo em desvantagem, a equipe andreense inicia hoje a preparação para o segundo encontro, no dia 15, no Serra Dourada, em Goiânia.

O técnico Dedimar surpreendeu na escalação dos titulares ao lançar o jovem Léo Carvalho, contratado como lateral-direito, no meio de campo - sua posição de origem. Fábio Santos era o homem mais avançado, praticamente isolado no ataque, sendo servido por Luciano Henrique e Élvis.

A primeira etapa do Santo André foi de muita obediência tática. Encarou de igual para igual adversário visivelmente superior tecnicamente. O Goiás tentava penetrar na defesa a partir de boas tramas, mas Rogélio, Júnior Paulista, Jardel e Elielton iniciaram soberanos, dando tranquilidade para o time criar.

E, aos nove minutos, veio a primeira chance do Ramalhão. Luciano Henrique cobrou escanteio, Júnior Paulista desviou e a zaga goiana tirou quase sobre a linha.

A primeira chegada boa dos visitantes foi aos 17. Após escanteio, Valmir Lucas cabeceou e Adilson pôs a escanteio. Aliás, esses dois personagens ainda protagonizariam lances que resultaram em gol.

Aos 33, o zagueiro do Goiás errou o passe e jogou nos pés de Fábio Santos, que roubou a bola, invadiu a área e foi derrubado pelo próprio Valmir. Élvis cobrou o pênalti e pôs o Santo André em vantagem.

Mas nem deu tempo para muita comemoração. Aos 37, após falta duvidosa de Júnior Paulista sobre Walter, este cobrou forte, no canto de Adilson, que não viu a bola: 1 a 1.

Na segunda etapa, o Santo André até voltou melhor que o Goiás, mas aos poucos pareceu ter se perdido em campo. Aos 17, gol anulado de Hugo - impedido - já era sinal de que algo não estava bem. E sete minutos depois, a confirmação: Walter fez o pivô e tocou para Eduardo Sasha finalizar. A bola desviou em Élvis e entrou.

O time andreense estava atordoado e, aos 28, levou o terceiro. Após cruzamento de Walter, a zaga não cortou e depois de bate-rebate, Eduardo Sasha apareceu para empurrar para a rede: 3 a 1.

O Santo André parecia entregue. Mas Dedimar lançou Gustavo, Luiz Ricardo e Alan em campo para dar outro fôlego e buscar ao menos um gol. E, aos 46 minutos, foi premiado. Após bola cruzada por Luciano Henrique, Harlei e Luiz Ricardo dividiram, a bola sobrou para Gustavo diminuir a desvantagem e levar a decisão da vaga à terceira fase a Goiás.

 

Derrota com sabor de vitória, diz Gustavo

Analisando-se friamente a frase do atacante Gustavo após a partida - "Foi uma derrota que pode-se dizer que teve sabor de vitória" - seria possível imaginar que o jovem atleta ramalhino está louco. Mas vendo a situação no geral, na qual o Santo André estava sendo eliminado até o gol aos 46 minutos do segundo tempo, a declaração é compreensível.

"Foi um gol que ajudou a não sermos eliminados antes da hora. Graças a Deus pude fazer o segundo tento e nos dar a chance de ter o jogo da volta em Goiás. Vamos com o intuito de vencer. O futebol dá a segunda chance para a gente e vamos tentar reverter lá", destacou Gustavo. "Tive a felicidade de estar no lugar certo e na hora certa, e pegar bem na bola, porque se não, erraria por muito", emendou o jogador, que, apesar de destro, fez o gol de canhota.

Titular durante grande parte do Paulista da Série A-2, ontem mais uma vez Gustavo iniciou o jogo no banco de reservas. Porém, vê seu gol como grande oportunidade de reaver seu espaço entre os 11 que vão começar o duelo em Goiás. "Posso sim. Estou trabalhando para isso, mas primeiramente para ajudar a equipe. A titularidade é consequência."

O passo inicial para reconquistar a posição é ter reconhecimento do treinador e Dedimar elogiou o desempenho do atacante. "Ele entrou, incomodou a defesa e foi feliz ao fazer gol que reacende nossa perspectiva".

 

Dedimar exalta Ramalhão manter fio de esperança

Clima de alívio misturado ao sentimento de que é possível reverter em Goiânia a vantagem imposta ontem pelo Goiás. Este era o ambiente no vestiário do Santo André após a derrota por 3 a 2. O gol de Gustavo no fim não apenas manteve o Ramalhão vivo no torneio, mas deu ânimo a todos do clube.

"Foi algo que reacendeu nossas chances, deixou um fio de esperança. O Santo André sempre viveu assim, de resultados improváveis ou impossíveis. E esse gol foi assim", destacou o técnico Dedimar. "É importante reconhecer que jogamos contra um time qualificado, que atua há muito tempo junto, enquanto nós vivemos momento de reconstrução. Estamos na Série D e encaramos uma equipe de Série A. Nossa realidade é totalmente outra. Por isso temos de dar crédito a esses atletas, manter as esperanças e ir à luta, que tem sido o lema desde a minha chegada", emendou o comandante ramalhino.

Porém, o treinador não deixou de citar que os gols sofridos ontem foram frutos de falhas individuais - sobretudo de Adilson, no primeiro tento goiano, na falta bem batida por Walter. "Ele errou, mas está sujeito a isso. Ninguém pode crucificá-lo, porque foi um dos responsáveis por nossa classificação", defendeu Dedimar. "O problema é que no segundo tempo voltamos muito abaixo, nos perdemos na marcação e levamos dois gols que não poderíamos. Alguns erros permaneceram e temos de corrigí-los. Mesmo assim conseguimos nos superar, agora é melhorar, trabalhar e acredito na força do grupo."

A partir de hoje, o elenco e a comissão técnica passam a pensar efetivamente no jogo da volta, mas o treinador já deu alguns indícios do que precisa ser feito no duelo marcado para dia 15, no Serra Dourada. "Precisamos ser ousados, mas não displicentes. Temos de procurar a melhor forma, centímetro a centímetro, jogada a jogada, acreditando que é possível", definiu Dedimar, que tenta agendar jogo treino para a próxima semana.

 

Vínculo de Ramalho termina hoje e diretoria negocia renovação

Considerado o grande ‘maestro' do time do Santo André, o volante Ramalho tem futuro incerto no clube. Seu contrato termina hoje, e tanto o jogador quanto a diretoria ramalhina manifestaram interesse em renovar o vínculo. Falta, no entanto, o acordo entre as partes para finalizar a negociação.

"Minha intenção é ficar, ainda mais agora com o segundo jogo (contra o Goiás). Gosto do Santo André. Costumo brincar que tenho sangue azul (em referência à cor do time). Vamos conversar para ver a situação", disse o jogador andreense. "Tudo vai depender dele se enquadrar na filosofia e realidade do clube. A Série D é outro tipo de campeonato. Conversei com ele após o treino de segunda-feira que queremos que continue, mas o clube não vai e não pode sair do orçamento e fazer loucura", emendou o presidente Celso Luiz de Almeida, que promete novidades até o fim da semana.

NA TORCIDA

Ontem, Ramalho teve de se contentar em assistir ao jogo da arquibancada. E o volante não esteve acompanhado apenas das mais de 2.000 pessoas presentes (1.990 pagantes), como também dos ex-ramalhinos Sérgio Soares e Sandro Gaúcho. "É horrível. Não tem comparação, o melhor é estar lá dentro do campo, a adrenalina é outra. Agora entendo um pouco mais a torcida", destacou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;