Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Retrato pintado por Pablo Picasso será leiloado em Nova York


Alessandro Soares
Do Diário do Grande ABC

08/03/2006 | 16:01


Dora Maar (1909-1997) ficou reclusa por décadas até sua morte, graças às seqüelas de um relacionamento sufocante com o pintor espanhol Pablo Picasso (1881-1973). Agora, pode se tornar a mulher de R$ 100 milhões. A casa Sotheby’s espera arrecadar mais de US$ 50 milhões com o leilão dia 3 de maio em Nova York da tela Dora Maar com Gato (1941), de Picasso. A obra, exposta atualmente em Paris, ficou por 40 anos longe dos olhos do público. Pertencia a uma família que preferiu se manter no anonimato. Dora Maar foi musa e amante de Picasso, e ele a retratou em uma série. Em 1999, foi leiloada a última destas telas que apareceram em público, Dora Maar Sentada no Jardim (1938), que arrecadou US$ 49 milhões.

Dora Maar foi criada em Buenos Aires, filha de mãe francesa e pai croata. Tinha 28 anos quando foi apresentada a Picasso pelo amigo do pintor, o poeta Paul Eluard em 1937. A fotógrafa, então intelectual brilhante ligada aos surrealistas franceses, tinha cabelos negros e unhas sempre bem feitas e pintadas. Encantou o artista, que contava com 56 anos, e os dois tiveram um relacionamento intenso, mas a personalidade forte de Picasso oprimiu Dora, que se tornou temperamental e depressiva. O pintor ainda mantinha relacionamento com Marie Therese, mãe de Maia, e alternava visitas a ela e à filha com viagens que fazia com Dora Maar. São da fotógrafa os únicos registros do processo criativo de Picasso em Guernica (1937), pintada no auge da Guerra Civil Espanhola.

Picasso e Dora Maar ficaram juntos até 1943, quando ele conheceu outra mulher. Nos momentos felizes, seus retratos de Dora Maar ressaltam seus cabelos morenos e unhas, realçados nos tons vermelhos e pretos, e destacava perfil e face em seu estilo marcante. A tela que a Sotheby’s vai leiloar foi produzida durante o clímax do relacionamento do casal – e durante a ocupação de Paris pelo exército nazista, em 1941, o que aumentou as tensões entre eles. Para abstrair essas tensões, Picasso pintaria sua musa em lágrimas, que ficaria conhecida como "mulher que chora". A tela da Sotheby’s representa o início desta fase em que Picasso desconstruiu a musa. O gato em seu ombro direito é uma referência ao apelido que Picasso lhe dera, "gato afegão", por seu temperamento.

O valor da obra não deve chegar ao pés de outra tela de Picasso, Rapaz com Cachimbo (1905), leiloada também pela Sotheby’s por US$ 104 milhões em 2004. Comprada em 1950 por US$ 30 mil, fazia parte de uma coleção particular e a renda foi doada para a Fundação Greentree, criada pela milionária Betsey Hay Whitney (1908-1998), dona da coleção. Até 2004, a obra leiloada mais cara do mundo era Retrato do Doutor Gachet (1890) de Vincent Van Gogh (1853-1890), vendida pela Christie’s em 1990 por US$ 82,5 milhões.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;