Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Falta de matéria-prima pode afetar crescimento do setor petroquímico


Leone Farias
Do Diário do Grande ABC

10/12/2007 | 07:06


O cenário para os próximos anos aponta um possível desabastecimento de matéria-prima para o setor petroquímico no País, para suprir o crescimento do mercado consumidor. É o que revela um estudo da Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química).

O relatório da associação mostra que as dificuldades se agravam em função da elevação dos preços do petróleo (e conseqüentemente da nafta petroquímica) e do gás natural.

Executivos do segmento atestam os receios com os custos em alta. “O que preocupa é o barril a US$ 95”, disse o presidente da Rhodia na América do Sul, Marcos Demarchi.

Ainda segundo o estudo, em 2010 o déficit (necessidade de importação) da nafta chegará a 4,6 milhões de toneladas e, da ordem de 2,2 milhões de toneladas em 2020.

Para a associação, a expansão da produção terá de se basear em fontes diversificadas. Uma alternativa será uma nova tecnologia da Petrobras (de uso do óleo pesado para a produção de resinas plásticas), que é inédita no mundo. Esse sistema será adotado no Comperj (Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro), projeto orçado em US$ 8,4 bilhões e que entrará em operação em 2013.

O coordenador da Comissão de Economia da Abiquim, José Mascarenhas, ressalva que nessas projeções não está computada a megadescoberta da estatal do petróleo, o campo Tupi, já que o estágio de seu conhecimento ainda não permite uma avaliação precisa. “Mas certamente esse anúncio gera novas e otimistas perspectivas”, diz.

Outros entraves - Representantes do segmento assinalam ainda outras barreiras para o crescimento, como a falta de mão-de-obra qualificada e as deficiências em infra-estrutura.

“O preenchimento das vagas é demorado hoje em dia porque falta qualificação”, afirma o vice-presidente de Tintas e Vernizes da Basf na América do Sul, Rui Goerck.

Outra questão crítica são os problemas logísticos. “Isso apesar do PAC, que é lento e com resultados de longo prazo”, avalia Goerck.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;