Fechar
Publicidade

Domingo, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Preso um dos chefes do PCC suspeito de matar quatro rivais



06/04/2006 | 00:01


Investigadores do DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) prenderam um acusado de ser um dos líderes do grupo que matou a machadadas quatro integrantes do CRBC (Comando Revolucionário Brasileiro da Criminalidade), assassinados na segunda-feira, na Serra da Cantareira, na zona Norte de São Paulo. Trata-se de um dos chefes do PCC (Primeiro Comando da Capital), facção responsável pela matança.

A prisão do acusado ocorreu quarta-feira à tarde, na zona Sul. O homem foi reconhecido por meio de fotografia por um dos sobreviventes do crime: Daniel Cesar Batista da Silva, 26 anos. A polícia não divulgou o nome do preso. No passado, ele já havia sido acusado de outra chacina.

Além de Silva, uma mulher sobreviveu e foi encontrada quarta-feira pela polícia, que pretende ouvi-la. Silva depôs na terça-feira e disse que ele e seus colegas de CRBC foram atraídos para uma armadilha por comparsa que os traiu, entregando-os para o PCC. As vítimas haviam se reunido em Guarulhos, na Grande São Paulo, quando foram cercadas por uns 15 homens do PCC e levadas a um cativeiro.

Era sexta-feira. As vítimas eram cinco homens e uma mulher. Na segunda-feira, todos foram levados para a mata da Serra da Cantareira, na região de Parada de Taipas, onde foram amarrados e golpeados. Silva sobreviveu porque se fingiu de morto, assim como a mulher. Trata-se de Maria Aparecida Barbosa, mulher de Marco Antonio da Silva, o Marquito, um dos quatro mortos. Ela estava com as mãos amarradas e com uma lesão na cabeça quando foi levada para um hospital.

Segundo a polícia, os criminosos pretendiam atear fogo nos corpos das vítimas, pois ao lado delas havia garrafas com gasolina.

Os outros mortos seriam de Marcelo Santos Araújo, Paulo Roberto de Carvalho e Robério Santos de Oliveira – as identidades ainda precisam ser confirmadas. A polícia investiga duas hipóteses para o crime. A primeira é de disputa ligada ao tráfico de drogas. A outra é que tudo começou por causa de duas mortes numa penitenciária em Guarulhos, em 2005.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;