Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Militares ocupam cidade boliviana em greve


Do Diário do Grande ABC

07/04/2000 | 10:23


Tropas militares apoiadas por policiais ocuparam nesta sexta-feira a cidade boliviana de Cochabamba, no centro do país, que desde a última terça-feira está sob uma greve geral, enquanto os bloqueios de estradas e as barricadas continuam, segundo imagens do canal televisivo estatal.

A ocupaçao militar foi determinada depois de atos de violência na cidade de Cochabamba, quando uma multidao de cerca de mil manifestantes sitiou o local onde estavam reunidas várias autoridades governamentais e parlamentares.

``Em Cochabamba, se impôs a ordem constitucional. Os que hoje querem passar por vítimas foram os carrascos de ontem. Maiores detalhes do caso serao divulgados depois de conversarmos com o presidente (Hugo Banzer)'', declarou o ministro de Governo, Walter Guiteras, antes de entrar para uma reuniao de gabinete no palácio Quemado, de La Paz.

Na maior expressao de descontentamento social e quase três anos de administraçao do presidente Banzer, a situaçao pareceu chegar a seu clímax quando um ministro de Estado, Tito Hoz de Vila, e parlamentares que negociavam a suspensao da greve em Cochabamba foram sitiados nesta quinta-feira por manifestantes na sede da Prefeitura.

Preliminarmente, o deputado Daniel Uriona e a agência estatal de notícias ABI tinham informado que o ministro retido no recinto era o de Desenvolvimento Econômico, José Luis Lupo.

Protagonizado por quase mil manifestantes, o cerco reuniu em sua maioria camponeses dedicados à plantaçao de coca, encabeçados pelo ex-dirigente mineiro trotskysta Filemón Escobar, que fecharam com arames a porta principal de acesso à Prefeitura.

Entre as autoridades retidas, estavam ainda o vice-ministro de Regime Interior, José Orías, o prefeito (governador) Hugo Galindo, três parlamentares e o presidente da entidade patronal privada dessa província.

Vários dirigentes foram detidos na ocupaçao militar, mas libertados em seguida, a pedido da Igreja Católica.

Enquanto isso, dirigentes de uma denominada Coordenadoria da Agua, que aglutina organizaçoes sindicais e sociais e se opoe que o governo entregue a uma empresa estrangeira, de capitais italianos, a responsabilidade de construçao de uma represa nessa província, disseram que ``a greve continua''.

Apesar da ocupaçao militar de Cochabamba, nesta sexta de manha continuavam as barricadas no centro da cidade e o bloqueio de estradas.

O problema da água provocou em janeiro passado em Cochabamba uma das manifestaçoes mais violentas dos últimos anos, com um balanço de centenas de feridos e dezenas de detidos, depois de quase oito horas de choques entre os manifestantes e unidades militares e policiais.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;