Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Desemprego cresce no Grande ABC


Frederico Rebello Nehme
Do Diário do Grande ABC

25/05/2005 | 08:16


A desaceleração da economia mostra os primeiros sinais no Grande ABC. O desemprego na região cresceu pelo segundo mês consecutivo, após quatro meses de recuperação entre novembro de 2004 e dezembro de 2005. A taxa registrada em abril foi de 17,3%, elevando para 225 mil o número de desempregados na região – 8 mil a mais que em março, que teve índice de desemprego de 16,7%. Os dados são da pesquisa mensal da Fundação Seade (Sistema Interestadual de Dados) e do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). Na Grande São Paulo, o desemprego subiu de 17,3% para 17,5%.

A principal razão para o aumento do desemprego na Grande São Paulo foi a entrada de um número elevado de pessoas no mercado de trabalho (107 mil) em comparação com a geração de vagas no mês (69 mil), que também foi considerada alta. O ritmo de criação de novos também está diminuindo.

Mesmo crescendo em abril, pelo segundo mês consecutivo, a taxa de desemprego no Grande ABC é três pontos porcentuais menor que em abril do ano passado, quando a região registrava 20,3%. O tempo médio gasto na procura de trabalho diminuiu de 55 semanas em abril do ano passado para 51 semanas em abril deste ano.

O desempenho mostrado pelo consórcio Fundação Seade/Dieese diverge do levantamento de abril do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregoados) do Ministério do Trabalho, que aponta a indústria do Grande ABC como a âncora do produção em alta na região. Foram criados nas sete cidades 1.030 novos postos de trabalho industriais, um aumento de 68% sobre as 612 contratações de março. Na soma de todos os setores da economia, foram 7.137 novos empregos em abril, 83% a mais do que ano anterior.

A diferença se explica: o Caged só registra empregos formais, enquanto que a pesquisa da Fundação Seade/Dieese inclui mais categorias de entrevistados na PEA (População Economicamente Ativa) na sua análise, aumentando, no resultado final, o número de pessoas que procuram emprego.

Analistas e pesquisadores, entretanto, concordam em um aspecto: a taxa de desemprego da PED deve diminuir em maio, mês que tradicionalmente registra bom saldo positivo de emprego, já que a geração de novos empregos, mesmo que sofra leve diminuição, deverá ser maior do que o número de novas pessoas entrando no mercado de trabalho.

Em relação ao Caged, os números de maio deverão registrar a manutenção do ritmo de criação de novas vagas no Grande ABC, sobretudo na indústria, por conta dos elevados volumes de exportações de toda a cadeia automobilística.

Serviços crescem – Na Grande São Paulo, a PED (Pesquisa de Emprego e Desemprego) indicou crescimento em serviços, com a geração de 53 mil novas vagas, e outros setores (24 mil), categoria que compreende construção civil e serviços domésticos, entre outros. O comércio perdeu 5 mil postos em abril e a indústria reduziu em 3 mil vagas o seu efetivo, com aumento do número de trabalhadores com carteira de trabalho assinada.

Segundo o Seade/Dieese, a grande entrada de pessoas no mercado de trabalho é uma característica do mês de abril, e a redução do número de vagas da indústria, considerada pequena, seria um ajuste decorrente das contratações realizadas no início do ano, quando tradicionalmente o setor reduz o seu número de postos de trabalho.

Perspectivas – Para a economista Maria do Carmo Romeiro, coordenadora do Instituto de Pesquisas do Imes (Universidade Municipal de São Caetano), a geração de postos de trabalho no Grande ABC deve continuar nos próximos meses, mas de maneira tímida.

“Apesar das expectativas dos empresários terem se reduzido pelas sucessivas altas dos juros e pela crise cambial (a desvalorização do real frente ao dólar), as contratações vão continuar, mas num ritmo mais lento. Os investimentos de peso e a geração mais forte de empregos serão retardadas”, afirma a economista.

“O empresário está tirando o pé do acelerador na hora de investir”, afirma o diretor da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Fernando Trincado Simon, se referindo aos empresários do Grande ABC.

“A questão cambial e os juros estão prejudicando o planejamento dos empresários. Se não houver nenhuma mudança na política econômica do governo federal nos próximos três meses, o nível de emprego pode ser reduzido drasticamente”, afirma Simon.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;