Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 6 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Fascínio por Fidel Castro está em declínio


Alessandro Soares
Do Diário do Grande ABC

03/05/2003 | 18:13


O fascínio por Fidel Castro está em declínio. O ditador cubano ainda é uma personalidade forte na política do século XXI, como foi no século XX. Mas já sem o brilho de ícone da rebeldia sessentista, de artistas e de intelectuais, que fez da Revolução Cubana de 1961 símbolo de esperança na capacidade popular de ascensão e de resistência diante dos Estados Unidos, potência que já impõe quatro décadas de embargo econômico à ilha.

O comandante já não seduz. Depois de Cuba executar três seqüestradores de uma lancha de passageiros com destino aos Estados Unidos, há três semanas, e de mandar prender dissidentes, surgiram manifestações pelo mundo pedindo "Cuba libre".

O português José Saramago, prêmio Nobel de Literatura, afirmou que dificilmente se veria um mundo novo na ilha. Significativo, vindo de um castrista de primeira hora. O uruguaio Eduardo Galeano, autor de As Veias Abertas da América Latina, comentou que "a revolução está perdendo o ar de espontaneidade e a frescura que desde o início a empurrou".

Mas ainda há abraços para Fidel. O arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer, na semana passada, enviou telegrama de apoio escrevendo "solidariedade com a luta". Na última quarta-feira, o escritor colombiano Gabriel García Márquez, outro Nobel de Literatura e amigo de Fidel, confirmou seu apoio ao regime imposto pelo líder, mas condenou a pena de morte. Respondeu à intelectual norte-americana Susan Sontag, que o criticou por manter silêncio diante dos últimos atos do comandante.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Fascínio por Fidel Castro está em declínio

Alessandro Soares
Do Diário do Grande ABC

03/05/2003 | 18:13


O fascínio por Fidel Castro está em declínio. O ditador cubano ainda é uma personalidade forte na política do século XXI, como foi no século XX. Mas já sem o brilho de ícone da rebeldia sessentista, de artistas e de intelectuais, que fez da Revolução Cubana de 1961 símbolo de esperança na capacidade popular de ascensão e de resistência diante dos Estados Unidos, potência que já impõe quatro décadas de embargo econômico à ilha.

O comandante já não seduz. Depois de Cuba executar três seqüestradores de uma lancha de passageiros com destino aos Estados Unidos, há três semanas, e de mandar prender dissidentes, surgiram manifestações pelo mundo pedindo "Cuba libre".

O português José Saramago, prêmio Nobel de Literatura, afirmou que dificilmente se veria um mundo novo na ilha. Significativo, vindo de um castrista de primeira hora. O uruguaio Eduardo Galeano, autor de As Veias Abertas da América Latina, comentou que "a revolução está perdendo o ar de espontaneidade e a frescura que desde o início a empurrou".

Mas ainda há abraços para Fidel. O arquiteto brasileiro Oscar Niemeyer, na semana passada, enviou telegrama de apoio escrevendo "solidariedade com a luta". Na última quarta-feira, o escritor colombiano Gabriel García Márquez, outro Nobel de Literatura e amigo de Fidel, confirmou seu apoio ao regime imposto pelo líder, mas condenou a pena de morte. Respondeu à intelectual norte-americana Susan Sontag, que o criticou por manter silêncio diante dos últimos atos do comandante.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;