Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Movimento MSTS é o maior opositor à administração Haddad

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


06/08/2016 | 08:39


Entre os movimentos de moradia, o MSTS é quem faz a maior oposição à administração Fernando Haddad (PT). Desde quando foi fundado, em 2013, o grupo travou diversos embates com a Prefeitura. No protesto mais recente, os sem-teto passaram cerca de três meses, de abril a junho, acampados com 200 barracas em frente ao prédio do governo municipal, no Viaduto do Chá.

Outra disputa envolve o Cine Marrocos, na Rua Conselheiro Crispiniano, prédio ocupado em outubro de 2013 - 20 dias depois da criação do MSTS. A sede do movimento ficava do outro lado da rua, mas foi alvo de uma reintegração de posse no final de 2014. Na ocasião, houve confronto com a polícia e os sem-teto incendiaram alguns apartamentos.

Próximo ao Cine Marrocos, também na região central, o mesmo movimento ocupou um prédio na Rua 7 de abril. A invasão mais recente do MSTS aconteceu no dia 31. O imóvel é um prédio da Prefeitura, na Rua Asdrúbal do Nascimento, na Bela Vista, no centro.

O grupo estaria atuando prestando serviços específicos - um deles era a cobrança de aluguel de moradores nas ocupações. No Cine Marrocos, cuja reintegração de posse estava prevista para junho, eram cobrados R$ 400 dos moradores, segundo famílias. Em 2014, ano eleitoral, o MSTS expôs cartazes eleitorais do PSDB em suas invasões na Rua Conselheiro Crispiniano. O movimento, porém, afirmava não ter ligação política com nenhum partido específico.

Guilherme Boulos, dirigente do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), grupo rival do MSTS, afirmou que desconhecer qualquer vinculação do movimento investigado pela polícia com partidos políticos.afirmou Boulos, o grupo nem sequer poderia ser considerado movimento social, pois seria formado por "oportunistas disfarçados". "O grupo cobrava dinheiro dos moradores e alugava cômodos em ocupações. Tratava-se de pessoas usando movimento social de fachada para obter ganho próprio de forma oportunista", disse Boulos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;