Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Brasil x Inglaterra fizeram jogo memorável em 70


Da AFP

18/06/2002 | 05:04


Pelé cabeceia, Banks defende, Moore ataca e Astle perde a chance - foi um jogo que entrou para a história das Copas do Mundo: Brasil 1-0 Inglaterra, em 1970, no México.

Depois do jogo, quando um Pelé sorridente e Bobby Moore trocaram suas camisas num gesto de respeito mútuo, os jogadores ingleses assistiram pasmos ao filme do épico.

"Nós mesmos ficamos impressionados", disse o meia Bobby Charlton. "Você pode pegar esse filme e usar para dar aulas de táticas. Houve de tudo naquele jogo, todos os esquemas e técnicas, todo o controle tático, tudo. Houve muitas coisas especiais", comentou o inglês.

As coisas especiais incluem a defesa de Gordon Banks de uma cabeçada de Pelé, aos 10 minutos de jogo, aquela que sempre é descrita como a maior defesa de um goleiro na história do futebol.

Pelé recebeu um cruzamento de Jairzinho e cabeceou para baixo, na direção do canto inferior do gol. Pelé já gritava "gol" quando Banks, de alguma forma, se virou todo para trás e mandou a bola para escanteio.

"Ele veio do nada", lembrou Pelé anos depois. "Em um momento ele estava caído com a mão direita apoiada no chão, e no momento seguinte, ou melhor, no mesmo momento, ele estava apoiado com a mão esquerda e salvou a bola. Foi, na minha opinião, a defesa mais espetacular do torneio, uma jogada impossível - mas Banks conseguiu", comentou Pelé.

Os reflexos de Banks estavam bem afiados naquela partida. Mesmo após a noite anterior ao jogo, quando o hotel onde os ingleses estavam hospedados foi invadido por torcedores tocando cornetas até o início da manhã, numa tentativa de perturbar o sono dos jogadores.

Mesmo assim, Banks não pôde fazer nada contra o gol da vitória do Brasil.

Por uma vez, Moore foi driblado. Tostão fez a finta no limite da área e passou para Pelé, que deu um toque de leve, perfeito, para Jairzinho detonar no alto da rede inglesa.

O capitão da Seleção Brasileira de 1970, Carlos Alberto Torres, acredita que esse gol foi melhor do que a sua também famosa explosão no gol contra a Itália, na final desse campeonato mundial, vencido pelo Brasil por 4-1.

"Nós pegamos a bola no último terço do campo, Tostão driblou Moore e passou para Pelé que, sem olhar e sem saber que o Jairzinho estava lá, fez o passe de direita, e o Jairzinho marcou", conta o capitão.

A Inglaterra não se deu por vencida e, a 15 minutos do final, quase empata.

Moore iniciou um ataque perfeito, passou para Jeff Astle, que estava livre de marcação, e chutou - para fora.

O Brasil acabou por conquistar seu terceiro título em quatro Copas do Mundo; a Inglaterra foi eliminada nas quartas-de-final pela Alemanha.

Trinta e dois anos depois, Inglaterra e Brasil se preparam para renovar a rivalidade.

"O encontro entre nossas duas nações poderia ser um dos jogos mais importantes da fase final da Copa do Mundo", disse Pelé. "O Brasil é a maior nação na história da Copa do Mundo, e a Inglaterra é o país que inventou o futebol. O jogo de sexta-feira pode acabar valendo pela final", disse Pelé.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;