Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Figueira tombada está morta, diz Prefeitura

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Após poda motivada por queda de galho que
matou mulher, exemplar não pode ser retirado


Natália Scarabotto
especial para o Diário

15/04/2016 | 07:07


Enormes raízes e tronco morto com pouca folha e muito fungo são o que resta da figueira centenária do Parque Celso Daniel, bairro Jardim, em Santo André, cinco anos após a poda. Segundo a Prefeitura, a árvore está morta.

O corte do vegetal, que tinha 20 metros de altura e quatro metros de diâmetro, ocorreu em 2011, quando galho caiu e matou Leda da Silva Maubrigades, 68 anos.

Na data, a mulher e o filho Adriano Maubrigades, atualmente com 44 anos, cortavam caminho pelo local. “Não frequentava o parque e, depois daquele dia, nunca mais entrei lá. Ainda é muito difícil aceitar o que aconteceu”, diz o filho. ‘Tive que fazer acompanhamento com psicólogo por três meses e, até hoje, vou ao psiquiatra.”

A Prefeitura foi condenada a pagar R$ 67,8 mil para Maubrigades e o mesmo valor para a irmã, Vanina. A administração recorreu e a ação está em andamento na Justiça.

De acordo com a Prefeitura, não é possível retirar o que resta da árvore do parque porque ela é tombada pelo Condephaat (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico de São Paulo). Ainda conforme o Executivo, o órgão sugere esperar o processo natural de envelhecimento das células.

Até hoje a poda divide opiniões. O aposentado Nicomedes Domingues, 75, acredita que “estava muito podre e precisava ser cortada, mas deixar só um pedaço não resolve. Tinha que tirar tudo”.

Já a professora Márcia Codana, 54, lamenta. “Subi muito naqueles galhos quando era mais jovem. É uma pena destruírem a árvore, mas também precisava de cuidados.”

Em outros visitantes, o assunto gera curiosidade. “Elas(duas filhas pequenas) quiseram ver a árvore e vieram ler a placa para saber o que aconteceu. Acho que é a segunda maior árvore que já vi”, conta a professora Keli Patrícia Luca, 43.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Figueira tombada está morta, diz Prefeitura

Após poda motivada por queda de galho que
matou mulher, exemplar não pode ser retirado

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, acesse com:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;