Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 14 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Tradição é marca do Nova Petrópolis

Marina Brandão/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Fábio Munhoz
Do Diário do Grande ABC

13/02/2012 | 07:00


Não são apenas as ruas com nomes referentes ao período do Império no Brasil que dão ao Nova Petrópolis a característica de bairro tradicional. Localizado em São Bernardo, é arborizado e conserva muitos imóveis antigos. Quem mora por lá há mais tempo relata que a expansão vertical e o aumento no número de áreas comerciais fizeram com que mais gente circulasse pelas ruas, mas, ainda assim, sem perder a tradição de décadas passadas.

"Moro aqui desde que nasci e, se puder, vou continuar até morrer", garante Pedro Camargo Júnior, 48 anos. Para ele, o padrão dos que residem no Nova Petrópolis aumentou desde sua infância. Júnior também elogia a infraestrutura do bairro, que, além do comércio variado, possui diversas opções de lazer, como os campos de futebol na Avenida Imperatriz Leopoldina e o recém-inaugurado Parque Chácara Silvestre, na Avenida Wallace Simonsen.

Pelas ruas, há disponibilidade de serviços que não são encontrados com tanta facilidade em bairros mais novos, como tapeçarias, sapatarias e açougues. Tais características mantêm os habitantes mais antigos. A conservação da memória está presente também nos patrimônios tombados, que somam três dentro dos quase dois quilômetros quadrados de área. Além da Chácara Silvestre, a região também conta com a Igreja Presbiteriana Independente, na Rua Doutor Fláquer, e a antiga chaminé da Avenida Pery Ronchetti.

Apesar dos aspectos positivos, também existem as reclamações. A professora aposentada Mirtes de Campos França, 82, elogia o lugar onde mora há 48 anos, mas demonstra preocupação com a verticalização. Na opinião dela, a Prefeitura deveria limitar a construção de prédios. "Ergueram um aqui atrás da minha casa e acabaram com o sol que batia no meu quintal", lamenta.

Outra reclamação frequente diz respeito aos congestionamentos. "O trânsito é ruim, além de ser difícil chegar ao bairro nos horários de pico". critica o tapeceiro Marco Almeida do Nascimento, 49. Também gera insatisfação entre os moradores a falta de opções de transporte público. Apenas um itinerário municipal atende o Nova Petrópolis. A linha 56 faz trajeto circular entre o bairro, o Jardim Palermo, e o Paço Municipal.

Ruas se transformam em reduto boêmio

A calmaria nas ruas do Nova Petrópolis dá lugar ao agito da vida noturna, principalmente às quintas, sextas e sábados. Nos últimos anos, grande quantidade de bares chegou ao bairro, principalmente nas avenidas Prestes Maia, Paulo Afonso e Imperatriz Leopoldina. Apesar da migração da boemia, alguns estabelecimentos se destacam pela tradição, como o Bar do Freguês, fundado em 1947, o Bar São Judas Tadeu, de 1981 e o Bar do André, que existe há cerca de 50 anos.

Mesmo com o fortalecimento da vida noturna, moradores dizem que o sossego não acabou. "É uma relação harmoniosa. Os bares e os frequentadores respeitam os moradores. Tem alguns que ficam até de madrugada, mas sem atormentar a vizinhança", comenta a jornalista Sandra Villanova, 53 anos.

"Aqui está virando a Vila Madalena do ABC. Muitas pessoas estão trocando a Avenida Kennedy pelas opções do Nova Petrópolis", avalia o aposentado Ernesto Francisco Soares, 58, que reside no bairro desde que nasceu.
Proprietário de um bar há 30 anos, o comerciante Orlando Pinheiro, 63, não teme perder espaço com o aumento da concorrência. "Pelo contrário, minha clientela cresceu depois que começou a aumentar o número de estabelecimentos. Tem espaço e público para todo mundo. Cada um frequenta o local que achar mais adequado ao seu perfil", complementa.

O bairro das famílias Miranda, Pujol e Simonsen...

O nome homenageia a cidade histórica de Petrópolis, no Rio de Janeiro. As ruas homenageiam vultos imperiais brasileiros. A área fazia parte do sítio de Benedito Cesário do Nascimento, apelidado Miranda, que o adquiriu entre 1904 e 1905 de Antonio Piuta. Coube à Empresa Imobiliária São Bernardo (família Pujol) iniciar o loteamento na década de 1920. Em 1930, posta em leilão, foi arrematada pela família Simonsen. Duas referências: a Chácara Silvestre e o reservatório d'água que lembra um pistão de automóvel.

Nova Petrópolis fez parte de projeto voltado às três cidades que formariam o ABC que antecipou o Grande ABC. 
Quando os irmãos Pujol, paulistanos, o lotearam, assim também o fizeram com os bairros Jardim e Campestre, de Santo André, e Santa Maria e Saúde, de São Caetano.

Foram mais longe e criaram a Avenida Industrial, para receber fábricas ao longo da estrada de ferro, em Santo André. Um bondinho interligou todos os loteamentos, para facilitar o acesso dos interessados na compra de terrenos. O trajeto inclui como pontos básicos as estações férreas de São Caetano, Santo André e o Pasto do Governo, hoje Praça Lauro Gomes, em São Bernardo, com ramal adentrando o Nova Petrópolis.

Foram muitas obras de aterro, por exemplo. Mas os Pujol sucumbiram à crise do café e suas áreas foram adquiridas por outra família, a Simonsen, ligada à Cerâmica São Caetano e ao Banco Noroeste. Com os

Simonsen à frente dos negócios, as primeiras medidas tomadas foram a de extinguir o sistema de transportes representado pelo bondinho e suspender a venda de lotes em Nova Petrópolis, que seria reiniciada décadas depois, após a construção da Via Anchieta - não era viável manter o loteamento naqueles anos duros das décadas de 30 e 40. Com a Via Anchieta, um novo momento. O reinício da venda de lotes em Nova Petrópolis acompanhou o processo de urbanização de São Bernardo, com ótimas construções levantadas e boas instalações industriais dos anos 1950 em diante. Os Simonsen continuaram a frequentar a Chácara Silvestre, sua casa de campo, até ela ser desapropriada pela Prefeitura.

Prevaleceu a vocação residencial de Nova Petrópolis. As fábricas - Perkins e Koppers, por exemplo - cederam espaço a órgãos governamentais e a conjuntos habitacionais. A Chácara Silvestre manteve o seu espaço verde, graças à ação da comunidade. E os loteamentos ao redor, populares, se constituem em artérias quase satélites não apenas de Nova Petrópolis como da Nova Baeta Neves. (Ademir Medici)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Tradição é marca do Nova Petrópolis

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, acesse com:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;