Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 1 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Berzoini diz que meta é criar 2 milhões de empregos em 2005


Marcos Palhares
Do Diário do Grande ABC

19/07/2004 | 00:51


Em palestra no diretório do PT de São Bernardo, como parte das atividades de campanha para o deputado federal e candidato a prefeito Vicente Paulo da Silva (PT), o ministro do Trabalho e Emprego, Ricardo Berzoini, projetou para 2005 a geração de dois milhões de empregos formais.

A perspectiva é exatamente o dobro do resultado obtido pelo governo no primeiro semestre deste ano, anunciado pelo Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) do Ministério do Trabalho na última sexta-feira. Entre janeiro e junho deste ano, foram criados 1,03 milhão de empregos formais – recorde da série histórica do Caged, iniciada em 1992.

Há dois anos, em 23 de julho de 2002, o PT lançou um programa de governo específico para a geração de emprego, defendendo a criação de 10 milhões de postos de trabalho no mandato presidencial. Na palestra realizada em São Bernardo, Berzoini negou que o presidente tenha feito essa promessa. Confira a entrevista exclusiva:

DIÁRIO – A respeito da criação de um milhão de empregos formais, no primeiro semestre deste ano, quais os setores da economia em que a geração de postos foi maior e quais os fatores para esse resultado?
RICARDO BERZOINI – É importante notar que todos os segmentos da economia estão crescendo, em termos de emprego. Inclusive a construção civil, que no ano passado (o resultado) foi negativo e já recuperou tudo que perdeu. Já temos 10 mil empregos de saldo positivo em relação ao ano passado – serão 60 mil esse ano, sendo 10 mil no governo Lula. Mas os setores que mais contribuiram até agora, em termos percentuais, foram o de agronegócio e os industriais vinculados à exportação. Esse quadro deu a tônica no primeiro trimestre, mas no segundo trimestre já temos a expansão para o setor de consumo interno vinculado particularmente a alimentos no mercado interno, vestuário, calçados e também os setores de serviços. Então, o crescimento está se homogeneizando, mas ainda com uma predominância no setor agrícola.

DIÁRIO – Para o próximo ano, qual a previsão de criação de mais empregos formais e como chegar a esse resultado?
BERZOINI – Eu acredito que nós temos condições de manter e ampliar um pouco o atual ritmo. Nós geramos um milhão de empregos em seis meses e a previsão para o ano – que nós estamos atualizando de maneira muito pé no chão e muito sensata – é de 1,8 milhão (empregos). Há possibilidade, inclusive, de superar isso. Nós estamos trabalhando com essa previsão e para o ano que vem nós acreditamos que é possível chegar a 2 milhões de empregos. Num patamar que é suficiente para não apenas assimilar todos que chegam ao mercado de trabalho, mas reduzir de maneira constante o desemprego. Nosso grande desafio é entrar 2005 com o desemprego na faixa de um dígito, portanto, abaixo de 10%, o que será, por si só, uma vitória importante. Não que baste ao povo brasileiro, mas será uma vitória importante porque significará reduzir no Brasil a triste situação do desemprego na casa de dois dígitos, que foi criado especialmente no governo anterior.

DIÁRIO – O senhor comentou, em palestra no diretório do PT de São Bernardo, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não prometeu 10 milhões de empregos, mas sim que essa quantidade seria a necessária. Dois anos depois, as projeções continuam as mesmas?
BERZOINI – Na realidade, o Brasil precisa gerar milhões e milhões de empregos. O presidente, durante a campanha, nos nossos próprios documentos de campanha, nós trabalhamos com a referência de que a geração de 10 milhões de empregos recoloca o mercado de trabalho brasileiro num patamar de normalidade em relação ao que seria uma economia de atividade intensa. Obviamente, o desemprego sempre existe, em qualquer economia. É importante atingir uma situação em que o desemprego não seja um fator de instabilidade social e de redução do poder de negociação dos trabalhadores nas negociações coletivas. Então, é essa a filosofia básica que nós estamos adotando. Ou seja, criar milhões e milhões de empregos ao ponto de viabilizar uma situação em que melhore a condição dos trabalhadores nas negociações coletivas e que o mercado de trabalho possa absorver a juventude que está ingressando agora.

DIÁRIO – Nessa iniciativa do governo de criação e geração de emprego e renda, existem iniciativas específicas para o Grande ABC?
BERZOINI – Existem iniciativas específicas para o Brasil como um todo. Para as áreas industriais, especialmente, nós entendemos que o fortalecimento das exportações abre o caminho para um movimento em torno de um crescimento de importação de bens e capital. Portanto, estão ampliando a capacidade produtiva do país, evitando aquele processo que nós já vivemos no passado, que é de esgotar a capacidade instalada e isso provocar ou inflação ou aumento da taxa de juros para segurar a demanda. Nós não queremos mais uma economia que arranca e pára, arranca e pára. Nós queremos uma economia que tenha planejamento sustentável.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;