Fechar
Publicidade

Domingo, 24 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Vestir-se bem eleva chance de emprego


Michele Loureiro
Do Diário do Grande ABC

31/08/2008 | 07:06


Engana-se quem pensa que apenas o conteúdo da entrevista é levado em conta na hora de lutar por uma vaga no mercado de trabalho. "Claro que a experiência anterior, a vontade e o perfil contam muito na seleção, mas o modo de se vestir do candidato influencia na escolha", comenta a gerente de divisão de efetivos da Gelre, Sidnéia Palhares.

Os responsáveis pela seleção não consideram a marca das roupas, o valor da bolsa nem a procedência do sapato, mas o conjunto deve ser harmonioso. "É importante saber que o candidato se preocupou com a entrevista e fez questão de se arrumar bem", diz a gerente. Afinal de contas, o contratado será o cartão de visitas da empresa. "Ninguém quer sua empresa representada por uma pessoa que não passe uma boa impressão; não estamos falando de beleza, e sim da forma de apresentação", explica Sidnéia.

Possibilidade - Preocupadas com a questão de saber escolher bem a roupa para usar no ambiente de trabalho, algumas pessoas recorrem a um ‘tratamento de choque' e buscam a ajuda dos personal stylists, profissionais especializados em encontrar o estilo certo para cada pessoa.

Sabina Donadelli é economista, mas há 17 anos se dedica à moda, e há oito, tornou-se personal stylist. "A maioria das pessoas que me procuram quer ajuda para parecer mais experiente, para conseguir uma promoção no trabalho, por exemplo", comenta.

O processo dura cerca de 60 dias e a pessoa aprende a combinar as cores e peças certas. "Eu sempre digo que não é necessário gastar todo o salário em roupas caras, é preciso investir na qualidade das peças e nunca ousar demais", diz Sabina.

Para a personal stylist, ser tradicional é uma boa opção e diminui a chance de errar. "Sempre dou dicas (veja tabela ao lado) para que as pessoas apostem no básico, afinal, quem precisa aparecer é a pessoa, não a roupa", enfatiza.

Cuidados - Segundo a personal, ostentar hobbies ou convicções também está fora de cogitação, assim como vestir-se para ir ao escritório como você faria para ir ao bar com os amigos.

"Nada de usar camisetas de rock and roll. Aposte em um pouco de sutileza. Deixe alguma coisa por conta da imaginação de quem vê", aconselha Sabina.

A consultora faz trabalhos individuais e também para empresas. Mais informações podem ser obtidas no site www.sabinadonadelli.com.br.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;