Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

'Impressão digital' do vírus zika é decifrada por laboratório em Campinas

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Descoberta é o ponto de partida para a criação de
uma vacina que impeçam a transmissão do vírus



29/02/2016 | 07:46


A "impressão digital" do vírus zika foi decifrada pelo Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), em Campinas, após um trabalho de três meses desenvolvido em conjunto por 20 pesquisadores. Essa descoberta é o ponto de partida para a criação de uma vacina e de medicamentos que impeçam a transmissão do vírus de grávidas contaminadas para bebês.

Um laboratório farmacêutico, cujo nome não foi divulgado, iniciou uma parceria com o LNBio para desenvolver biofármacos e para estudar a viabilidade de uma vacina. Não há previsão para que esses medicamentos ou imunizantes estejam à disposição, mas os trabalhos já começaram. "Qualquer previsão de prazo é feita com base em experiências com outros vírus, mas cada caso é diferente. Podem surgir imprevistos que retardem o desenvolvimento dos medicamentos. Por isso, não estipulamos datas", disse Kleber Franchini, diretor do LNBio e coordenador da pesquisa.

O laboratório, uma organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação que funciona ao lado do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, começou as pesquisas em novembro, após os indícios de que o zika poderia causar microcefalia e outras doenças neurais. O primeiro objetivo foi mapear a estrutura molecular do vírus zika, verificando as diferenças com o da dengue, por exemplo, e identificar como interage com células humanas e seus pontos de conexão.

Bebê

A segunda frente identifica substâncias essenciais para a produção de fármacos, como moléculas que inibem a infecção ou a replicação do vírus, sem danos às células humanas. "O laboratório que está iniciando parceria conosco quer desenvolver um anticorpo monoclonal. Com ele, é possível impedir que o vírus em uma mulher grávida se propague e atinja o bebê", exemplifica Franchini

O terceiro foco quer identificar com precisão quais são os períodos críticos, quando a exposição ao zika pode associar-se a danos neurais, como a microcefalia. As pesquisas continuam, mas com as informações já obtidas pelos pesquisadores é possível iniciar o desenvolvimento de medicamentos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Impressão digital' do vírus zika é decifrada por laboratório em Campinas

Descoberta é o ponto de partida para a criação de
uma vacina que impeçam a transmissão do vírus


29/02/2016 | 07:46


A "impressão digital" do vírus zika foi decifrada pelo Laboratório Nacional de Biociências (LNBio), em Campinas, após um trabalho de três meses desenvolvido em conjunto por 20 pesquisadores. Essa descoberta é o ponto de partida para a criação de uma vacina e de medicamentos que impeçam a transmissão do vírus de grávidas contaminadas para bebês.

Um laboratório farmacêutico, cujo nome não foi divulgado, iniciou uma parceria com o LNBio para desenvolver biofármacos e para estudar a viabilidade de uma vacina. Não há previsão para que esses medicamentos ou imunizantes estejam à disposição, mas os trabalhos já começaram. "Qualquer previsão de prazo é feita com base em experiências com outros vírus, mas cada caso é diferente. Podem surgir imprevistos que retardem o desenvolvimento dos medicamentos. Por isso, não estipulamos datas", disse Kleber Franchini, diretor do LNBio e coordenador da pesquisa.

O laboratório, uma organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação que funciona ao lado do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, começou as pesquisas em novembro, após os indícios de que o zika poderia causar microcefalia e outras doenças neurais. O primeiro objetivo foi mapear a estrutura molecular do vírus zika, verificando as diferenças com o da dengue, por exemplo, e identificar como interage com células humanas e seus pontos de conexão.

Bebê

A segunda frente identifica substâncias essenciais para a produção de fármacos, como moléculas que inibem a infecção ou a replicação do vírus, sem danos às células humanas. "O laboratório que está iniciando parceria conosco quer desenvolver um anticorpo monoclonal. Com ele, é possível impedir que o vírus em uma mulher grávida se propague e atinja o bebê", exemplifica Franchini

O terceiro foco quer identificar com precisão quais são os períodos críticos, quando a exposição ao zika pode associar-se a danos neurais, como a microcefalia. As pesquisas continuam, mas com as informações já obtidas pelos pesquisadores é possível iniciar o desenvolvimento de medicamentos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;