Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Gavião e mergulhão-caçador aparecem em Santo André


Adriana Ferraz
Especial para o Diário

24/03/2006 | 08:02


O Semasa (Serviço de Saneamento Ambiental de Santo André) resgatou, na última terça-feira, duas aves silvestres que encontravam-se em perigo na região: um gavião e um mergulhão-caçador. Segundo a bióloga responsável, Eriane Justo Luiz, em ambos os casos os técnicos da gerência de educação e mobilização ambiental do serviço foram chamados pela população. De acordo com o Semasa, outras cinco chamadas, envolvendo esse tipo de animal, foram registradas apenas neste ano.

O mergulhão-caçador foi achado por moradores do bairro Bom Pastor, em Santo André, em perfeitas condições. Típico de áreas molhadas (lagos ou represas), a ave deve ter sido arrastada de seu habitat natural em função das fortes chuvas que assolaram a região no início desta semana. “Como o pássaro estava sadio, fizemos o resgate e o levamos diretamente à represa do Parque do Pedroso, onde foi solto”, conta.

Para Claudinei Mello, especialista em aves, o polilymbus podiceps ou mergulhão, como é chamado popularmente, é um pássaro pequeno (mede aproximadamente 30 centímetros), rápido e acostumado a nadar. “A explicação mais convincente para o surgimento dessa espécie em perímetro urbano é mesmo o temporal que caiu por aqui”, afirma.

Já o gavião não teve a mesma sorte. O animal, encontrado nas proximidades da avenida dos Estados, no núcleo habitacional Sorocaba, caiu e quebrou a asa. Resgatado, foi levado aos cuidados de Claudinei, da Clínica São Francisco, em São Bernardo, onde recebe tratamento. Segundo o especialista, a asa teve de ser imobilizada com uma tala.

Para voltar a voar, o gavião vai ter de esperar cerca de dois meses. Segundo Mello, o pássaro estava muito fraco e por isso deve ter se acidentado. “Ele ainda é jovem, de acordo com sua plumagem parda deve ter, no máximo, um ano e meio, e, por isso, tem dificuldades para caçar. À procura de comida, afastou-se de seu ambiente natural”, aposta.

Perigo – Tratar animais selvagens representa um perigo real, segundo o biólogo Claudinei Mello. O gavião, por exemplo, é uma ave arisca, com garras muito afiadas. “Para aceitar o processo de reanimação, que inclui aquecimento e vitaminas, é preciso uma aproximação grande, que envolve riscos. Todas as pessoas que ajudam no tratamento devem agir com bastante cautela no contato com o animal, se não ele arranca pedaço mesmo, sem dó”, diz.

Acostumado a este tipo de trabalho, Claudinei tornou-se um “colaborador” do Semasa em situações como esta. “Sou chamado sempre há um regaste envolvendo aves selvagens na região. Os animais vêm direto pra cá, onde são tratados de forma adequada”, garante o voluntário.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;