Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Para ver e fruir


Gislaine Gutierre
Do Diário do Grande ABC

10/03/2007 | 18:41


A Casa do Olhar Luiz Sacilotto nem parece a mesma. Quem a viu antes do restauro ou acompanhou as obras, que duraram 13 meses, se surpreende já de cara em função do forte amarelo da fachada. Além disso, o público ainda terá de esperar mais um pouco para conhecer o espaço restaurado, cuja obra já custou aos cofres públicos cerca de R$ 750 mil. E deve custar pelo menos mais R$ 50 mil com a compra de novos móveis e equipamentos.

A previsão é de que a Casa seja reinaugurada na segunda quinzena de abril, com três exposições, uma delas inédita. Até lá, serão finalizados todos os detalhes da obra e a transferência dos equipamentos e obras de arte.

Apesar de já ser possível apreciar da rua algumas das mudanças, as maiores surpresas ainda estão por trás dos tapumes. Todas as janelas e portas, além do madeiramento no interior da casa, ganharam de novo o aspecto natural, com acabamentos de verniz sobre a madeira. O vitral está de volta, reconstituído. O assoalho brilha, já encerado.

Na fachada, as pedras ganharam de novo sua naturalidade – após a remoção da tinta marrom que as encobria –, os balaústres e capitéis estão recuperados e, no alto, se destaca o brasão que fez a equipe de restauro suar a camisa para deixá-lo como fora concebido.

O jardim já está pronto, dentro de um projeto de paisagismo. A coordenadora da Casa do Olhar, Paula Caetano, calcula que, na data da inauguração, muitas das plantas terão dado flores, que encherão de cores a paisagem. A iluminação cênica também está preparada.

Na parte de trás, o pequeno gramado só espera a chegada das cinco esculturas que recebem tratamento especial para que sejam instaladas ali em definitivo, ao ar livre. Bem ao lado, está concluída a espaçosa – e coberta – rampa de acesso destinada aos deficientes físicos.

Animais - Diante de tantas boas surpresas, apenas alguns animais perturbam um pouco a concentração para os preparativos da inauguração: um gato, que já deixou suas pegadas sujas de terra no recém-pintado corrimão de entrada, e as pombas, que insistem em habitar o telhado do casarão.

As pombas se tornaram inimigas da obra. Por duas vezes, as fezes das aves entupiram a calha do imóvel, o que levou a problemas de vazamento e conseqüentes interferências na pintura externa. “E ainda tem gente que insiste em jogar milho para elas aqui”, diz, indignada, enquanto aponta alguns dos grãos flagrados no jardim.

A solução já está na agenda de atividades: passar um produto químico no telhado para repelir as aves e refazer a pintura no local das falhas. Tudo isso antes da reinauguração.

Para quem já viveu dramas maiores, como a queda de parte do telhado, esses problemas são fáceis de resolver e não estragam o orgulho e a felicidade com o novo espaço.

Para o diretor de Cultura de Santo André, Alberto Alves de Souza, a reinauguração da Casa do Olhar é importante por dois aspectos: “Primeiro, porque reflete nossa política de preservação cultural; segundo, porque respeita a tradição de Santo André nas artes plásticas. Já estamos na 34ª edição do Salão de Arte Contemporânea, por exemplo, e queremos manter o projeto da Casa do Olhar em seu trabalho de difusão e formação. A Casa não muda seu papel, mas amplia suas atividades”, afirma.


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;