Fechar
Publicidade

Sábado, 16 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Inadimplência de empresas sobe 8,5%



31/08/2010 | 07:06


A inadimplência das empresas brasileiras subiu 8,5% em julho em relação a junho deste ano, informou ontem a Serasa Experian, empresa especializada em análise de crédito. Na comparação com julho do ano passado, a inadimplência recuou 5,5%. De janeiro a agosto de 2010, houve queda de 8,5% na comparação com o mesmo período de 2009.

De acordo com os técnicos da Serasa Experian, a alta da inadimplência de junho para julho está ligada ao aumento das taxas de juros em operações de crédito para empresas. "A elevação dos juros, sobretudo no capital de giro, a desaceleração da atividade econômica no segundo trimestre e o aumento dos estoques explicam o crescimento verificado", registraram os economistas em nota. "O fator calendário, por sua vez, também deve ser considerado, uma vez que julho teve um dia útil a mais que junho. Além disso, vale lembrar que as empresas exportadoras continuam enfrentando problemas com o real valorizado e com o mercado externo."

Os títulos protestados foram responsáveis por 7,8 pontos percentuais do aumento mensal de 8,5% da inadimplência. As dívidas com bancos que não foram pagas tiveram peso de 0,4 ponto percentual, a mesma contribuição registrada pelos cheques sem fundos.

Considerando o porte das empresas, as grandes registraram o maior aumento da inadimplência de junho para julho, de 14,2%. As micro e pequenas empresas tiveram taxa na inadimplência de 8,5% e as médias empresas de 7,5%. Na comparação com julho de 2009, grandes, médias e pequenas empresas registraram redução da inadimplência, de 9,1%, 13,4% e 4,9%, respectivamente.

"A perspectiva é de que a inadimplência das empresas continue alternando pequenas variações positivas e negativas na comparação mensal", afirmaram os técnicos. "Um ambiente mais favorável é aguardado para o último trimestre, com as festas de fim de ano impulsionando mais fortemente o ritmo da atividade econômica."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Inadimplência de empresas sobe 8,5%


31/08/2010 | 07:06


A inadimplência das empresas brasileiras subiu 8,5% em julho em relação a junho deste ano, informou ontem a Serasa Experian, empresa especializada em análise de crédito. Na comparação com julho do ano passado, a inadimplência recuou 5,5%. De janeiro a agosto de 2010, houve queda de 8,5% na comparação com o mesmo período de 2009.

De acordo com os técnicos da Serasa Experian, a alta da inadimplência de junho para julho está ligada ao aumento das taxas de juros em operações de crédito para empresas. "A elevação dos juros, sobretudo no capital de giro, a desaceleração da atividade econômica no segundo trimestre e o aumento dos estoques explicam o crescimento verificado", registraram os economistas em nota. "O fator calendário, por sua vez, também deve ser considerado, uma vez que julho teve um dia útil a mais que junho. Além disso, vale lembrar que as empresas exportadoras continuam enfrentando problemas com o real valorizado e com o mercado externo."

Os títulos protestados foram responsáveis por 7,8 pontos percentuais do aumento mensal de 8,5% da inadimplência. As dívidas com bancos que não foram pagas tiveram peso de 0,4 ponto percentual, a mesma contribuição registrada pelos cheques sem fundos.

Considerando o porte das empresas, as grandes registraram o maior aumento da inadimplência de junho para julho, de 14,2%. As micro e pequenas empresas tiveram taxa na inadimplência de 8,5% e as médias empresas de 7,5%. Na comparação com julho de 2009, grandes, médias e pequenas empresas registraram redução da inadimplência, de 9,1%, 13,4% e 4,9%, respectivamente.

"A perspectiva é de que a inadimplência das empresas continue alternando pequenas variações positivas e negativas na comparação mensal", afirmaram os técnicos. "Um ambiente mais favorável é aguardado para o último trimestre, com as festas de fim de ano impulsionando mais fortemente o ritmo da atividade econômica."

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;