Fechar
Publicidade

Domingo, 8 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Tribuna Livre começou em plena ditadura


Bignardi Junior
Do Diário do Grande ABC

29/04/2007 | 07:03


“É direito do povo falar na Câmara, que é a sua Casa.” A frase é do vereador de São Bernardo Lenildo Magdalena (PSB), 82 anos, o mais antigo parlamentar em atividade no Grande ABC. Magdalena, que há 46 anos está no Legislativo municipal, é o autor da lei que instituiu, pela primeira vez no Brasil, a Tribuna Livre. E isso foi em 8 de setembro de 1967, em pleno regime militar.

O projeto foi aprovado por unanimidade pelos 15 parlamentares que compunham a Câmara na época. Até o ministro da Justiça Gama e Silva aplaudiu a iniciativa, relembra o vereador: “Não encontramos obstáculos ao prosseguimento da propositura. Sob o ponto de vista legal não vemos onde ela possa conflitar-se com as normas vigentes”, escreveu Gama e Silva.

Cinco meses depois, em 13 de fevereiro, sairia a regulamentação da lei. Segundo o texto original, mantido até hoje, qualquer cidadão que more em São Bernardo, é eleitor regular e comprove boa conduta tem direito a falar por 20 minutos, se for o único inscrito, e 10 se houver mais pleiteantes.

No dia 14 daquele mês, a Casa se preparou para uma sessão extraordinária e 40 munícipes discursaram. O mais aplaudido, diz Magdalena, foi o médico Jerônimo Adamo, 27 anos, que fez fortes críticas ao projeto de lei que suprimia a autonomia de São Bernardo.

A abertura para discursos populares acarretou desconfianças por parte do governo militar aos trabalhos da Câmara, e Magdalena chegou a ser convidado a dar explicações sobre a Tribuna Livre.

“Estava em São Lourenço, hoje Riviera, num acampamento da igreja Metodista, do qual era pastor, quando chegou um jipe do Exército e fui levado. O governo militar acreditava que a Câmara estava se tornando um ponto subversivo. Expliquei, justifiquei e a Tribuna Livre está aí, até hoje.”


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Tribuna Livre começou em plena ditadura

Bignardi Junior
Do Diário do Grande ABC

29/04/2007 | 07:03


“É direito do povo falar na Câmara, que é a sua Casa.” A frase é do vereador de São Bernardo Lenildo Magdalena (PSB), 82 anos, o mais antigo parlamentar em atividade no Grande ABC. Magdalena, que há 46 anos está no Legislativo municipal, é o autor da lei que instituiu, pela primeira vez no Brasil, a Tribuna Livre. E isso foi em 8 de setembro de 1967, em pleno regime militar.

O projeto foi aprovado por unanimidade pelos 15 parlamentares que compunham a Câmara na época. Até o ministro da Justiça Gama e Silva aplaudiu a iniciativa, relembra o vereador: “Não encontramos obstáculos ao prosseguimento da propositura. Sob o ponto de vista legal não vemos onde ela possa conflitar-se com as normas vigentes”, escreveu Gama e Silva.

Cinco meses depois, em 13 de fevereiro, sairia a regulamentação da lei. Segundo o texto original, mantido até hoje, qualquer cidadão que more em São Bernardo, é eleitor regular e comprove boa conduta tem direito a falar por 20 minutos, se for o único inscrito, e 10 se houver mais pleiteantes.

No dia 14 daquele mês, a Casa se preparou para uma sessão extraordinária e 40 munícipes discursaram. O mais aplaudido, diz Magdalena, foi o médico Jerônimo Adamo, 27 anos, que fez fortes críticas ao projeto de lei que suprimia a autonomia de São Bernardo.

A abertura para discursos populares acarretou desconfianças por parte do governo militar aos trabalhos da Câmara, e Magdalena chegou a ser convidado a dar explicações sobre a Tribuna Livre.

“Estava em São Lourenço, hoje Riviera, num acampamento da igreja Metodista, do qual era pastor, quando chegou um jipe do Exército e fui levado. O governo militar acreditava que a Câmara estava se tornando um ponto subversivo. Expliquei, justifiquei e a Tribuna Livre está aí, até hoje.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;