Fechar
Publicidade

Domingo, 22 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Atelectasia - Dr. Leo Khan

Os pulmões são órgãos do sistema respiratório que se encontram alojados...


Dr. Leo Khan

11/12/2015 | 07:00


Os pulmões são órgãos do sistema respiratório que se encontram alojados dentro da caixa torácica e se expandem quando respiramos, enchendo-se de ar, fazendo a troca do oxigênio pelo gás carbônico e o eliminando na expiração.

A atelectasia é uma síndrome que acomete o indivíduo em vários tipos de doenças e ocorre na falta da entrada do ar e consequente colapso de parte do pulmão, devido a um bloqueio dos brônquios ou bronquíolos.

É classificada em aguda ou crônica, sendo que sua principal etiologia é a obstrução brônquica intraluminal, frequentemente causada por tampões de exsudado brônquico viscoso, tumores endobrônquicos, granulomas ou corpos estranhos.

O estreitamento brônquico também pode produzir essa síndrome, bem como compressão extrínseca por adenomegalia, tumor ou aneurisma e compressão pulmonar por líquido ou ar na pleura (por exemplo, derrame pleural, pneumotórax) e deficiência de surfactante.

Se a obstrução for removida o ar entra na área afetada, a infecção diminui e o pulmão eventualmente volta ao seu estado normal, dependendo do tamanho da infecção.

Quando a obstrução não é removida e se houver infecção, a falta de aeração e circulação iniciará alterações que levarão à fibrose e à bronquiectasia.

Fatores de risco:

- Acúmulo de secreções espessas, formando uma ‘rolha’ que obstrui os brônquios ou bronquíolos;

- Compressão por um tumor;

- Derrame plural (líquido na cavidade pleural);

- Pneumotórax;

- Aspiração de corpo estranho, principalmente nas crianças;

- Ocorre também em seguida a uma anestesia geral, sobretudo depois de cirurgias efetuadas no tórax ou no abdômen superior;

- Síndromes da angústia respiratória do recém-nascido e do adulto.

Sinais e Sintomas:

- Dor no lado afetado;

- Dispneia;

- Cianose;

- Hipotensão;

- Taquicardia;

- Febre;

- Choque;

- Murmúrio vesicular diminuído ou ausente;

- O movimento torácico na área está reduzido ou ausente;

- A traqueia e o coração são desviados para o lado afetado.

O médico faz o diagnóstico através da história, do exame físico, principalmente da ausculta do tórax, e com a solicitação de exames de raios X do tórax, Tomografia, roncoscopia, podendo ainda solicitar exames bioquímicas e a gasometria.

SAIBA MAIS:

- O surfactante, uma mistura complexa de fosfolipídios e lipoproteínas que recobre os alvéolos, reduz a tensão da superfície e contribui para a estabilidade alveolar.

- O uso de surfactantes pulmonares pode salvar a vida de alguns recém-nascidos.

- A avaliação da maturidade do pulmão do feto medindo-se os surfactantes no líquido amniótico melhora o tratamento dos fetos e recém-nascidos em risco.

- A atelectasia pode se desenvolver lentamente e causar só uma dispneia ligeira.

- A síndrome do lobo médio pode não manifestar qualquer sintoma.

- Após intervenção cirúrgica, o paciente deve respirar profundamente, tossir regularmente e começar a se movimentar o mais cedo possível.

- Devem deitar com o lado envolvido para cima para promover drenagem da área afetada (drenagem postural).

- Depois devem ser estimulados a se mover de um lado para outro e respirar profundamente.

- A fisioterapia pulmonar também pode contribuir com a mobilização das secreções e a broncoscopia pode ser usada para a aspiração dessas secreções.

- Tabagistas devem deixar de fumar por seis a oito semanas após uma cirurgia.

- Pacientes com respiração superficial prolongada por causa de sedação excessiva, anormalidade da caixa torácica, fraqueza ou paralisia neuromuscular ou distúrbios de SNC, ou que estão em ventilação mecânica prolongada, estão em especial risco para atelectasia.

- Indivíduos com dificuldades neurológicas ou pulmonares devem usar os aparelhos apropriados para o seu caso.

- Procure sempre um médico.

* Se você tem dúvidas sobre saúde, envie um e-mail para leo.kahn@uol.com.br ou visite o site www.vivaintegral.com.br 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Atelectasia - Dr. Leo Khan

Os pulmões são órgãos do sistema respiratório que se encontram alojados...

Dr. Leo Khan

11/12/2015 | 07:00


Os pulmões são órgãos do sistema respiratório que se encontram alojados dentro da caixa torácica e se expandem quando respiramos, enchendo-se de ar, fazendo a troca do oxigênio pelo gás carbônico e o eliminando na expiração.

A atelectasia é uma síndrome que acomete o indivíduo em vários tipos de doenças e ocorre na falta da entrada do ar e consequente colapso de parte do pulmão, devido a um bloqueio dos brônquios ou bronquíolos.

É classificada em aguda ou crônica, sendo que sua principal etiologia é a obstrução brônquica intraluminal, frequentemente causada por tampões de exsudado brônquico viscoso, tumores endobrônquicos, granulomas ou corpos estranhos.

O estreitamento brônquico também pode produzir essa síndrome, bem como compressão extrínseca por adenomegalia, tumor ou aneurisma e compressão pulmonar por líquido ou ar na pleura (por exemplo, derrame pleural, pneumotórax) e deficiência de surfactante.

Se a obstrução for removida o ar entra na área afetada, a infecção diminui e o pulmão eventualmente volta ao seu estado normal, dependendo do tamanho da infecção.

Quando a obstrução não é removida e se houver infecção, a falta de aeração e circulação iniciará alterações que levarão à fibrose e à bronquiectasia.

Fatores de risco:

- Acúmulo de secreções espessas, formando uma ‘rolha’ que obstrui os brônquios ou bronquíolos;

- Compressão por um tumor;

- Derrame plural (líquido na cavidade pleural);

- Pneumotórax;

- Aspiração de corpo estranho, principalmente nas crianças;

- Ocorre também em seguida a uma anestesia geral, sobretudo depois de cirurgias efetuadas no tórax ou no abdômen superior;

- Síndromes da angústia respiratória do recém-nascido e do adulto.

Sinais e Sintomas:

- Dor no lado afetado;

- Dispneia;

- Cianose;

- Hipotensão;

- Taquicardia;

- Febre;

- Choque;

- Murmúrio vesicular diminuído ou ausente;

- O movimento torácico na área está reduzido ou ausente;

- A traqueia e o coração são desviados para o lado afetado.

O médico faz o diagnóstico através da história, do exame físico, principalmente da ausculta do tórax, e com a solicitação de exames de raios X do tórax, Tomografia, roncoscopia, podendo ainda solicitar exames bioquímicas e a gasometria.

SAIBA MAIS:

- O surfactante, uma mistura complexa de fosfolipídios e lipoproteínas que recobre os alvéolos, reduz a tensão da superfície e contribui para a estabilidade alveolar.

- O uso de surfactantes pulmonares pode salvar a vida de alguns recém-nascidos.

- A avaliação da maturidade do pulmão do feto medindo-se os surfactantes no líquido amniótico melhora o tratamento dos fetos e recém-nascidos em risco.

- A atelectasia pode se desenvolver lentamente e causar só uma dispneia ligeira.

- A síndrome do lobo médio pode não manifestar qualquer sintoma.

- Após intervenção cirúrgica, o paciente deve respirar profundamente, tossir regularmente e começar a se movimentar o mais cedo possível.

- Devem deitar com o lado envolvido para cima para promover drenagem da área afetada (drenagem postural).

- Depois devem ser estimulados a se mover de um lado para outro e respirar profundamente.

- A fisioterapia pulmonar também pode contribuir com a mobilização das secreções e a broncoscopia pode ser usada para a aspiração dessas secreções.

- Tabagistas devem deixar de fumar por seis a oito semanas após uma cirurgia.

- Pacientes com respiração superficial prolongada por causa de sedação excessiva, anormalidade da caixa torácica, fraqueza ou paralisia neuromuscular ou distúrbios de SNC, ou que estão em ventilação mecânica prolongada, estão em especial risco para atelectasia.

- Indivíduos com dificuldades neurológicas ou pulmonares devem usar os aparelhos apropriados para o seu caso.

- Procure sempre um médico.

* Se você tem dúvidas sobre saúde, envie um e-mail para leo.kahn@uol.com.br ou visite o site www.vivaintegral.com.br 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;