Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 8 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Falta de remédios afeta Hospital Mário Covas

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Distribuição da Ciclosporina e do leite
Neocate está suspensa por ausência de estoque


Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

26/11/2015 | 07:00


Além das reclamações pela longa espera para retirar medicamentos na Farmácia de Alto Custo, que muitas vezes chega a ser de quatro horas, agora o Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André, é alvo de reclamações sobre falta de remédios. Segundo pacientes, a ausência de Ciclosporina de 50 mg e 100 mg coloca em risco o tratamento de pessoas que fizeram transplante. Também está em falta o leite Neocate, usado por quem tem alergia à lactose.

Essencial para adaptar e inibir a rejeição do corpo ao novo órgão, a Ciclosporina está em falta há cerca de um mês. A dona de casa Maria Leci dos Santos, 63 anos, é uma das moradoras pegas de surpresa. “Minha filha passou por transplante de rim e há 15 anos usa o remédio. Nunca tivemos problemas, mas agora não sei o que fazer”, relata a mãe da paciente Gisele dos Santos, 40.

Segundo Maria, desde a semana passada ela tem procurado o medicamento sem sucesso. “É um remédio caro (preço varia de R$ 374,43 a R$ 455,24). Minha renda atual é de R$ 800 provenientes do auxílio-saúde da minha filha. Estou com receio do processo cirúrgico ser revertido. Ela não aguentaria passar por outro transplante ou hemodiálise.”

O leite em pó Neocate – indicado para crianças que têm alergia ao leite de vaca – também está em falta. O problema já dura um mês, segundo pacientes. Em farmácias, a lata de 400 mg varia de R$ 144,79 a R$ 183,36.

Conforme a Secretaria Estadual da Saúde, no caso da Ciclosporina, nos dois últimos pregões, nenhuma empresa se interessou em vender o remédio ao Estado. Um terceiro processo de compra foi feito com sucesso e a Pasta irá cobrar o fornecedor para que entregue o produto o mais breve possível. Já em relação ao leite o Estado afirma que “desde outubro vem tentando fazer nova compra, mas a empresa Nutriport Comercial Ltda barra o processo na Justiça.” Enquanto isso, são oferecidas duas fórmulas similares.

A Nutriport disse que paralisou o processo pois, após vencer pregão eletrônico para distribuir ao Estado, o governo revogou a licitação, mesmo com produto em estoque. A Pasta não detalhou os motivos.

 

MUDANÇA

Faltando menos de uma semana para o prazo dado pelo secretário de Estado da Saúde, David Uip, para a descentralização da Farmácia de Alto Custo do Mário Covas, a Pasta ainda não tem definido nenhum local para realizar a mudança.

Segundo a secretaria estadual, ainda estão sendo negociados com os municípios os pontos de distribuição.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Falta de remédios afeta Hospital Mário Covas

Distribuição da Ciclosporina e do leite
Neocate está suspensa por ausência de estoque

Daniel Macário
Do Diário do Grande ABC

26/11/2015 | 07:00


Além das reclamações pela longa espera para retirar medicamentos na Farmácia de Alto Custo, que muitas vezes chega a ser de quatro horas, agora o Hospital Estadual Mário Covas, em Santo André, é alvo de reclamações sobre falta de remédios. Segundo pacientes, a ausência de Ciclosporina de 50 mg e 100 mg coloca em risco o tratamento de pessoas que fizeram transplante. Também está em falta o leite Neocate, usado por quem tem alergia à lactose.

Essencial para adaptar e inibir a rejeição do corpo ao novo órgão, a Ciclosporina está em falta há cerca de um mês. A dona de casa Maria Leci dos Santos, 63 anos, é uma das moradoras pegas de surpresa. “Minha filha passou por transplante de rim e há 15 anos usa o remédio. Nunca tivemos problemas, mas agora não sei o que fazer”, relata a mãe da paciente Gisele dos Santos, 40.

Segundo Maria, desde a semana passada ela tem procurado o medicamento sem sucesso. “É um remédio caro (preço varia de R$ 374,43 a R$ 455,24). Minha renda atual é de R$ 800 provenientes do auxílio-saúde da minha filha. Estou com receio do processo cirúrgico ser revertido. Ela não aguentaria passar por outro transplante ou hemodiálise.”

O leite em pó Neocate – indicado para crianças que têm alergia ao leite de vaca – também está em falta. O problema já dura um mês, segundo pacientes. Em farmácias, a lata de 400 mg varia de R$ 144,79 a R$ 183,36.

Conforme a Secretaria Estadual da Saúde, no caso da Ciclosporina, nos dois últimos pregões, nenhuma empresa se interessou em vender o remédio ao Estado. Um terceiro processo de compra foi feito com sucesso e a Pasta irá cobrar o fornecedor para que entregue o produto o mais breve possível. Já em relação ao leite o Estado afirma que “desde outubro vem tentando fazer nova compra, mas a empresa Nutriport Comercial Ltda barra o processo na Justiça.” Enquanto isso, são oferecidas duas fórmulas similares.

A Nutriport disse que paralisou o processo pois, após vencer pregão eletrônico para distribuir ao Estado, o governo revogou a licitação, mesmo com produto em estoque. A Pasta não detalhou os motivos.

 

MUDANÇA

Faltando menos de uma semana para o prazo dado pelo secretário de Estado da Saúde, David Uip, para a descentralização da Farmácia de Alto Custo do Mário Covas, a Pasta ainda não tem definido nenhum local para realizar a mudança.

Segundo a secretaria estadual, ainda estão sendo negociados com os municípios os pontos de distribuição.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;