Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Quem é quem na nova trama


Márcio Maio
da TV Press

30/09/2007 | 07:02


Para ambientar a novela, Aguinaldo Silva escolheu o Centro do Rio de Janeiro e a Barra da Tijuca, na Zona Oeste carioca. Tanto que a favela da Portelinha é inspirada na comunidade de Rio das Pedras, localizada próxima à região.

“Pegamos um fragmento de 8 mil m² de lá e fizemos vários estudos para encaixá-lo na nossa favela, mantendo a unidade”, explica o diretor de arte, Mário Monteiro.

A comunidade reproduzida no Projac é de 6 mil m² e conta com 120 casas e algumas construções com interiores, como uma igreja, 30 lojas e as instalações da escola de samba local.

A cidade cenográfica levou dois meses para ser construída e parte do processo será visto na tela, já que a trama aborda o surgimento da favela.

Outro ponto curioso da novela foi a caracterização de Dalton Vigh para diferenciar os rostos de Adalberto e Marconi. A solução foi alterar o visual do ator na primeira fase, que dura oito capítulos.

Barba, cabelos mais longos e uma prótese no nariz foram algumas das estratégias utilizadas. Tal transformação foi dificultada por um fator que, de certo modo, entrará para a história da emissora: Duas Caras será a primeira novela exibida da Globo em HD (High Definition). Com a tecnologia, a resolução da imagem é maior, fazendo com que as equipes se preocupem mais com pequenos detalhes. “É um acontecimento, mas estamos tranqüilos e satisfeitos”, resume a caracterizadora Lindalva Correa.

Assim como fez em Senhora do Destino, mais uma vez o diretor Wolf Maya poderá ser visto na frente das câmaras. Em Duas Caras, ele interpreta Geraldo Peixeiro, um hippie proprietário da frota de vans da comunidade da Portelinha. “Acho divertido atuar, mas quando estou dirigindo, só faço personagens pequenos, para não ser muito operoso”, justifica.

Para Maya, Duas Caras marca uma nova fase na carreira de Aguinaldo Silva. E o diretor acredita que essa deve ser a novela mais realista da carreira.

“O Aguinaldo é um autor maduro que passa agora por um processo de reflexão, de compreensão”, avalia. E, para tornar a trama ainda mais brasileira, a equipe optou por uma trilha sonora que conta com artistas como Djavan, Seu Jorge, Zeca Pagodinho, Gonzaguinha, entre outros.

Uma das maiores diferenças para Maya é trabalhar com a nova tecnologia HD. Mas, apesar de assumir que todos os cenários, figurinos, iluminação e planos estão sendo pensados e elaborados com muita atenção, esquece a modéstia na hora de falar sobre as mudanças internas por conta do avanço. “A Globo se prepara para o HD há muito tempo. A telenovela já é produzida com um requinte de imagem muito sofisticado”, afirma.

Ibope - Apesar de confiante no sucesso de sua história, Aguinaldo Silva confessa que se importa com o Ibope e que pretende manter sua tradição de elevar os números no horário nobre. Tanto que Senhora do Destino, sua última novela, encerrou com média de 60 pontos de audiência, número satisfatório para a faixa. “Só confiro esses números na hora do comercial. Se eu ficar monitorando durante a exibição do capítulo, acabo me desconcentrando”, revela.

Personagens principais - Adalberto Rangel e Marconi Ferraço (Dalton Vigh) – Vendido ainda criança para Hermógenes, com ele aprendeu a “arte” da vigarice. Já adulto, casa-se com Maria Paula e rouba dela todos os bens da família. Depois, passa por uma cirurgia plástica para mudar de rosto.

Maria Paula (Marjorie Estiano) – Filha única, perde os pais aos 18 anos. Depois de seduzida pelo forasteiro Adalberto Rangel, a jovem e rica herdeira se casa com ele, mas é roubada pelo marido e fica na miséria.

Hermógenes (Tarcísio Meira) – Renomado estelionatário, pratica suas falcatruas em todo o território nacional. Em uma de suas viagens, conhece o menino Adalberto e decide comprá-lo.

Bárbara Carreira (Betty Faria) – Veterana prostituta. Apresentada a Adalberto por Hermógenes, afeiçoa-se ao menino e se torna sua fiel confidente.

Juvenal Antena (Antonio Fagundes) – Líder e fundador da favela da Portelinha, é ele quem toma conta de tudo que acontece na comunidade. Seu grande rival é Marconi Ferraço.

Margarida Maria dos Anjos, a Dona Guigui (Marília Gabriela) – Vice-presidente da Associação dos Moradores da Portelinha, é o braço direito de Juvenal.

Evilásio Caó (Lázaro Ramos) – Filho de Misael Caó, trabalha na associação dos moradores da favela da Portelinha e é um dos empregados de confiança de Juvenal. Envolve-se com Júlia, branca e rica, e sofre preconceito racial.

Júlia Barreto (Débora Falabella) – Inteligente e ativa, tem interesse em cinema e culinária. Conhece Evilásio Caó durante a gravação de um documentário na favela da Portelinha e apaixona-se por ele, enfrentando o preconceito da família.

Fernando Macieira (José Wilker) – Professor, foi exilado na época da ditadura. Volta ao país para fundar uma escola para crianças carentes.

Branca Moraes (Susana Vieira) – É casada com João Pedro e mãe de Sílvia. Descobre que o marido tinha uma amante depois que ele morre. Assume a presidência do conselho da Universidade Pessoa de Moraes, da qual é dona.

João Pedro (Herson Capri) – Marido de Branca e pai de Silvia. Reitor da Universidade Pessoa de Moraes, vive um romance Célia Mara. Atingido por uma bala perdida, morre ao lado da amante.

Maria Sílvia (Alinne Moraes) – Filha de Branca e João Pedro, volta ao Brasil após sete anos de estudos na Suíça e se sente atordoada com a violência tupiniquim.

Célia Mara (Renata Sorrah) – É mulher de Antônio e mãe de Clarissa. Mantém um relacionamento extraconjugal com João Pedro.

Antônio José (Otávio Augusto) – Marido de Célia Mara e pai de Clarissa, tem uma loja de materiais elétricos.

Clarissa (Bárbara Borges) – Filha de Antônio e Célia Mara, é muito estudiosa e sonha ser juíza. Mas tem dislexia.

Alzira Correia (Flávia Alessandra) – Prima de Célia Mara e mulher de Dorgival, com quem tem dois filhos, Dorginho e Manoela. Sustenta a casa, já que o marido cansou de procurar emprego. É enfermeira de um hospital público de dia e, sem que o marido saiba, profissional de uma casa de massagens à noite.

Dorgival (Ângelo Antônio) – É marido de Alzira e pai de Dorginho e Manoela. Vive às custas da mulher e não quer saber de trabalho.

Manoela Correia, a Manu da Portelinha (Luana Dandara) – Aspirante a funkeira, filha de Dorgival e Alzira.

Paulo (Stênio Garcia) – Advogado, possui um vasto patrimônio e tem como um de seus clientes Marconi Ferraço. É pai de Júlia e Barretinho, marido de Gioconda e irmão de Branca.

Gioconda (Marília Pêra) – É considerada a última dama da sociedade carioca. Ficará decepcionada quando sua filha der à luz uma criança negra.

Barretinho (Dudu Azevedo) – Também advogado, trabalha no escritório da família.

Heraldo Carreira (Alexandre Slavieiro) – Filho mais velho de Bárbara, é avesso aos estudos e ao trabalho.

Jandira (Totia Meireles) – Mãe de Luciana e amiga e governanta de muitos anos da família de Maria Paula.

Luciana (Vanessa Giácomo) – Filha de Jandira, foi criada desde criança na casa de Maria Paula e é sua melhor amiga.

Nadir (Viviane Victoretti) – Caixa de um supermercado, trabalha com Maria Paula e é a primeira amiga que a protagonista faz na cidade.

Gabriel (Oscar Magrini) – É marido de Eva, com quem tem dois filhos, Ramona e Petrus. Engenheiro e aliado de Marconi na construção de condomínios de luxo.

Maria Eva (Letícia Spiller) – Perua casada com Gabriel e mãe de Petrus e Ramona.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;