Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 30 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Moradores reclamam falta de respaldo

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Após desabamento no Inamar, residentes da Rua Apóstolo João pedem assistência e temiam que construção prosseguisse


Angelo Verotti
Rafael Mendonça
Vinícius Ramalho

09/11/2015 | 07:00


Mesmo após a tentativa do presidente do Água Santa, Paulo Sirqueira, e do prefeito de Diadema, Lauro Michels (PV), de mobilizarem os munícipes, nem todos estão com o Netuno na luta para reerguer o clube após o desabamento da arquibancada social e dos setores de imprensa e camarotes do Estádio do Inamar, no sábado.
Residentes da Rua Apóstolo João – localizada ao lado da parte afetada – reclamaram das obras e criticaram a falta de assistência tanto ao longo do ano quanto após a queda.

“Nossa revolta é pelo desrespeito com os moradores destas casas. Pedimos para que fizessem apenas uma tribuna deste lado e aí estavam fazendo este ‘prédio’ que desabou. Já tive de reformar a casa umas quatro vezes ao longo do ano por conta das infiltrações. Falávamos com eles (responsáveis pela obra), mas não recebíamos respaldo”, contou o preparador de máquinas Alessandro Alves Rodrigues, 42 anos, que há 14 mora no local.

Telhas quebradas, queda de pedras e pedaços de madeira são constantes. E algumas das consequências para as quase 30 casas que ficam deste lado da rua também foram apontadas pela professora e artesã Bruna Carla Santiago, 29, que reside com o marido, Denílson Santiago Lima, e os pais. “Desde as chuvas de janeiro, começaram a ter infiltrações em minha casa. No dia 28 de fevereiro, tivemos um compromisso e estávamos fora. Quando voltamos, depois de uma forte chuva, meu quarto estava alagado”, relatou ela, que pretende se mudar.

Entretanto, durante a coletiva do sábado, o mandatário do Água Santa se defendeu destas críticas. “Temos constatado que a água já entrava na casa dos moradores, e após as obras é que deixou de ter infiltrações em suas residências. Ali era um barranco, onde não tinha uma impermeabilização, então já existia a água que infiltrava na casa deles. Após nossas obras é que parou de acontecer isso.”

Ao contrário do que afirmou Sirqueira, a docente disse ainda que esta era, sim, uma tragédia anunciada. “Além das infiltrações, ‘entraram’ por cima de nossas casas. Foram construindo degraus e invadindo nosso pedaço. Então, tínhamos este receio de cair. Também achamos que essas colunas que fizeram não são grossas. Acredito que se tivessem liberado (o estádio), em dia de jogo a tragédia poderia ter sido muito maior.”


Mirassol confia em vaga para disputar o Paulistão


A FPF (Federação Paulista de Futebol) prometeu validar até quarta-feira os laudos entregues pelo Água Santa, que garantem capacidade para 10 mil pessoas no Estádio do Inamar, apesar da queda de uma das arquibancadas no sábado, e confirmar a participação dos diademenses no Paulistão-2016. Mas o Mirassol, maior beneficiado em caso de negativa da entidade, acredita no cumprimento do regulamento geral da competição e na presença na elite. Foi o que destacou o presidente Edson Antonio Ermenegildo em entrevista ao Diário.

O dirigente lamentou o acidente que feriu (sem gravidade) três pessoas no estádio do município do Grande ABC, mas fez valer a opinião de que o Netuno feriu as normas determinadas pela FPF ainda no início da temporada 2015. “Gostaria de falar que fiquei bastante chateado com o ocorrido no campo do Água Santa, principalmente pelo fato de pessoas terem saído feridas. Ainda bem que não houve nada mais grave”, disse Ermenegildo. “Mas não tem como ignorar que o Água Santa tinha prazo até o dia 5 (de novembro) para entregar os laudos em relação ao estádio. Soube que apresentaram uns feitos por dois engenheiros não credenciados na área esportiva. Desde o começo do ano, os clubes da Série A-2 sabiam da exigência de arquibancadas para, no mínimo, 10 mil pessoas em caso de acesso. Inclusive o Água Santa. Então, não há do que reclamar.”

Para o mandatário, o Mirassol é um “mero espectador''''” na história, mas poderá apelar aos tribunais esportivos caso não tenha a vaga confirmada no Estadual. “Iremos recorrer ao TJD (Tribunal de Justiça Desportiva) da Federação Paulista e até ao STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) na CBF, no Rio de Janeiro. Mas jamais na esfera comum”, afirmou ele, que anunciou 1º de dezembro como data para o início da montagem da equipe do Mirassol para o Estadual – seja visando a Série A-1 ou a A-2.


Márcio Ribeiro afirma que tragédia não muda planejamento


O imbróglio que envolve a definição da disputa do Água Santa na Série A-1 do Campeonato Paulista ganhou mais um capítulo dramático com a queda da arquibancada do Estádio do Inamar anteontem. Mesmo assim, de acordo com o técnico Márcio Ribeiro, a fatalidade não muda em nada o planejamento do Netuno e revelou que faltam apenas seis nomes para fechar o grupo de atletas diademense.

“O primeiro passo já foi tomado e conversamos com os 19 atletas contratados para tranquilizá-los. Estamos com algumas conversas e devemos chegar a 22 jogadores contratados em breve. A estratégia de trabalho e reapresentação do grupo dia 24 de novembro e jogadores que estão jogando o Brasileiro para dia 10 de dezembro está mantida”, afirmou o técnico.

De acordo com o comandante, um fato a se comemorar é o de a obra não ter desabado sobre as residências ao redor do estádio. “Ainda bem que a arquibancada caiu no sentido do campo e não na direção das casas que ficam atrás do setor destruído. Agradecemos a Deus por essa fatalidade não ter tirado a vida de ninguém. Isso é maior que qualquer um dos nossos acessos”, destacou. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;