Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Em palestra, Mario Sergio Cortella fala da necessidade de ação na crise

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Renomado filósofo e escritor abordou o tema para 900 pessoas


Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

04/11/2015 | 07:00


No momento em que o País passa por uma crise econômica que traz incertezas e insegurança, as palavras do filósofo e escritor Mario Sergio Cortella serviram de impulso para o público de 900 pessoas que assistiram à palestra Da oportunidade ao êxito: Mudar é complicado? Acomodar é perecer!, na noite de ontem, no Colégio Stocco, no bairro Jardim, em Santo André. Foi a segunda vez que ele esteve na instituição. A primeira foi em agosto de 2014, em evento comemorativo aos 60 anos da escola. “Mario Sergio é um grande educador da sociedade contemporânea”, ressaltou a diretora-geral do Colégio Stocco, Jozimeire Angélica Vieira da Silva.

Em uma hora e meia, Cortella estimulou a reação da plateia. “A palavra crise vem do sânscrito kri, que significa purificar. Ela oferece oportunidade para procurarmos alternativas, seja em relação à nossa decência, seja em relação à nossa sobrevivência”, disse ele em entrevista ao Diário, minutos antes da palestra. “Uma crise não é algo inédito nem interminável, aliás, é nela que se mede quem é competente, porque nadar rio abaixo é tranquilo, é só soltar o corpo. Tê-lo de fazer contra a corrente exige esforço e inteligência maiores”, completou.

O diretor comercial Carlos Eduardo Grande, 41, veio da Capital para assistir à palestra. “A maioria das pessoas está em letargia e não é hora de ficar parado. É hora de ação”, frisou.

Autor de 27 livros, Cortella foi secretário municipal de Educação de São Paulo (1991-1992), tendo antes sido assessor especial e chefe de gabinete de Paulo Freire, conhecido como o mais célebre educador brasileiro. Avaliando a situação da área no Brasil, apontou que “nem é uma catástrofe nem uma alegria imensa”. “Construímos o que pode ser feito. Em breve, se a gente conseguir se organizar com inteligência, evoluiremos para o que deve ser feito.”  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;