Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Parentes de vítimas de chacinas protestam contra impunidade


Do Diário do Grande ABC

26/07/1999 | 17:38


Vinte e um caixoes de papelao - alusao ao número de mortos na chacina de Vigário Geral - foram depositados nesta segunda-feira, em frente da sede do Ministério Público Estadual, no Rio, em protesto contra o adiamento do júri de um dos acusados do crime, Roberto Cezar do Amaral Júnior, que deveria ser inicido nesta segunda-feira. O adiamento foi comunicado na sexta-feira (23). O novo julgamento deve acontecer ainda em agosto, a data, no entanto, ainda nao foi definida.

Segundo o procurador-geral da Justiça José Muiños Piñeiro Filho, um desencontro na data das férias do juiz e do promotor do caso provocou o adiamento. De acordo com ele, o juiz José Geraldo Antônio deveria sair de férias em julho; mas se antecipou e, ao remarcar o julgamento, a data coincidiu com as férias do promotor do caso. "Ele tentou remarcar o julgamento para nesta segunda-feira, mas nao deu certo", afirmou. "Há uma briga entre a promotoria e o 2º Tribunal do Júri e por isso todos os promotores entraram em greve", acusou a advogada de parentes de vítimas da chacina, Cristina Leonardo.

O julgamento desta segunda-feira coincidiria com o aniversário de nove anos do desaparecimento de três adultos e oito adolescentes de um sítio em Suari, em Magé, Grande Rio. Após o desaparecimento, um grupo de mulheres passou a se reunir para pedir justiça e acabaram conhecidas como Maes de Acari. Três anos depois, uma delas, Ediméia da Silva, foi morta a tiros, no centro do Rio. Nesta segunda-feira, elas pediam o resultado da escavaçao em um suposto cemitério clandestino descoberto na cidade onde, acreditam, podem estar estes corpos.

Missa - Parentes de vítimas das duas chacinas se reuniram pela manha na Igreja de Santa Luzia, no centro, onde participaram de uma missa. Em seguida, saíram em passeata até a sede da Procuradoria Geral de Justiça. Com um lenço em das maos e um caixao de papelao na outra, o aposentado Valdir Bahiense, de 63 anos, chorava pela morte de seu filho, Amarindo, de 31 anos, uma das vítimas na chacina de Vigário Geral. O frentista foi fuzilado na porta de casa. "Eu ouvi os tiros, mas nao podia imaginar que fosse meu filho", contou.

Também participaram do protesto parentes de vítimas de outros casos de violência e de pessoas desaparecidas. No local, os manifestantes cantaram o Hino Nacional. Muito emocionada, a artista plástica Yvonne Bezerra de Mello, que trabalha com crianças de rua, disse que pelo menos 61 meninos foram assassinados esse ano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;