Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Márcio Chaves deixa PT rumo ao PSD

Orlando Filho/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Militante histórico da legenda, ex-vice-prefeito de Mauá é cotado para compor a chapa de Volpi


Júnior Carvalho
Do Diário do Grande ABC

30/09/2015 | 07:00


Ex-vice-prefeito de Mauá, Márcio Chaves entregou ontem sua desfiliação do PT, como havia antecipado o Diário. Escanteado no petismo e longe do protagonismo eleitoral na cidade, Márcio está de malas prontas para o PSD, onde deverá comandar o diretório municipal.

Militante histórico do PT mauaense e um dos fundadores da legenda no município, o agora ex-petista é cotado para compor como vice na chapa a ser encabeçada por Clóvis Volpi (PSDB), ex-prefeito de Ribeirão Pires, em embate direto com o prefeito Donisete Braga (PT) na eleição de 2016.

Há pouco mais de duas semanas, Márcio se encontrou com Volpi e com o ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD), na casa do cacique pessedista. Na ocasião, foi convidado a integrar a legenda, hoje presidida em Mauá por Bianca Donatiello Lopes, filha do vereador Manoel Lopes (DEM).

Embora não tenha causado espanto entre os petistas – Márcio já estava afastado do cenário político –, a desfiliação do ex-vice-prefeito é a primeira grande perda para o PT no Grande ABC. A sigla enfrenta desgaste político por envolvimento em corrupção e assiste, a um ano da eleição municipal, à maré de desfiliações de petistas que temem que a crise interna impeça êxito nas urnas. No mês passado, o PT perdeu o único prefeito do partido que comandava uma capital no Nordeste, o chefe do Executivo de João Pessoa (Paraíba), Luciano Cartaxo, que também vai para o PSD.

“Achei (a saída) equivocada, pois todo o partido passa e já passou por algum desgaste. Se ele têm desejo de voltar à cena política, que o fizesse pelo PT, pois tem história com a legenda. Respeito a decisão dele e, como amigo, desejo boa sorte”, comentou o secretário de Governo, Edílson de Paula (PT).


HISTÓRICO
Márcio iniciou sua carreira política em grupos ligados à igreja católica. Na década de 1980, durante o nascimento do PT, ajudou a fundar o partido em Mauá. Em 1988 , elegeu-se vereador como o mais votado da legenda: 1.506 votos. Quatro anos depois, foi o nome do petismo na disputa pela Prefeitura, mas foi vencido por José Carlos Grecco.

Entre 1993 e 1996, atuou em Diadema, na primeira gestão de José de Filippi Júnior (PT), onde comandou as secretarias de Finanças, de Administração e comandou a hoje extinta ETCD (Empresa de Transporte Coletivo de Diadema). Em 1996, venceu o pleito como companheiro de chapa de Oswaldo Dias (PT), eleito prefeito. A parceria foi repetida em 2000 e novamente obteve êxito.

Em 2004, novamente como candidato do PT ao Paço, foi o mais votado no primeiro turno em briga com Leonel Damo (PMDB), mas o ex-prefeito levou o páreo no segundo turno depois que o petista teve a candidatura cassada pela Justiça Eleitoral na véspera da eleição pelo polêmico caso do Túnel do Tempo. Três anos depois, perdeu prévias para Oswaldo para ser o postulante da legenda em 2008. Em 2010, disputou, sem sucesso, cadeira na Assembleia Legislativa.

Márcio afirmou que só vai falar sobre saída do PT hoje.
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;